quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Novo começo,feliz Ano Novo!

O ano novo só é novo quando nos propomos a 
arregaçar as mangas, e ao menos, tentar fazer 
as coisas de um novo jeito, de uma maneira que
nunca tentamos antes...
Rever os conceitos, corrigir erros, esquecer as
ofensas, por maiores que tenham sido.Poderíamos
ter errado também...então, o perdão é um bom
caminho para nos reconciliarmos com aqueles que
de algum modo nos tenham prejudicado...
Alguns, diriam que de boas intenções o inferno está
cheio, mas confiar de novo, é dar a chance de olhar
com entendimento e  ver o nosso próximo como nunca
o havíamos visto, procurá-lo em seu interior, sem a má fé,
olhá-lo com caridade e respeito, afinal, ali naquele ser 
há uma mesma constituição humana, veias, vísceras, 
cérebro e coração, como o nosso!
Apenas sua educação foi diferente, se é que teve, talvez,
ele não tenha tido o mesmo aprendizado que nós outros.
Alguém diria que pensar assim é ser bobo,contudo, um lado
tem que ceder, para haver pacificação. Não perdemos nada
em rever nossas posturas diante das antipatias e ódios...
ao contrário, só temos a ganhar. Estaremos vencendo a nós
mesmos, nossa maior batalha.Com certeza, sentiremos alívio
de alma,sentiremos que em nós habita algo muito maior e que
a humildade é a chave para a paz do mundo...
Feliz Ano novo,outro começo,para todos nós!!!!

obs- "Se beber,não dirija!"

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Mariana...

Onde está o rio Mariana ? Onde?
Aonde foram parar os que ali dormiam
sonhando com um futuro?
Cadê os sorrisos dos entes queridos que
partiram? E a sua representação?
Onde estão as casas? Foram submersas
em lama contaminada!
Nada se refez, nem será de novo...nem  mesmo
o pó ou o povo...
Tudo rolou com suas águas e peixes! Num 
mesmo sopro foram mortos, até mesmo a sede 
vinda da ganância!
Agora,só saudades!
Como esquecer dos que ali docemente adornavam
as beiras! como esquecer sua imagem tão linda...
Cadê os sons,as vozes de felicidades que estavam
ali! Só sobras, lembranças e tristezas permanecem.
E eu ou você com isto? Mas Ali não era  também
Brasil? A Mata Atlântica e o suas riquezas,o mar
contaminando tudo ao redor...Quem fará o que for 
preciso?
Cadê o rio, cadê o riso de Mariana?

terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Prorrogando vida...

Quero permanecer calada, fechar os olhos, e sem
ruído algum...
Quero nessa louca estrada, um instante  lúcido.
Um instante apenas, para colorir  o que está se 
desfazendo com o tempo...um instante de suavidade ao 
sentir o ar em meus pulmões, um  tempo a mais do que 
todas as horas do dia...
Quero temporariamente a disposição de pisar o chão
com leveza, e em outros tempos, quero a eternidade,
prefiro o voo  da liberdade...
Enquanto os planetas se preparam para se alinharem
no  imenso Universo... 
Quero ter  o silêncio das horas sonhadas a  meu favor,
sentir que num  milésimo de segundo  tudo muda e se 
transporta para lugares distantes, onde pairam os segredos 
e as ousadias do espírito, aonde a ventania me arraste sem 
que eu faça qualquer esforço para me livrar...só me deixo ir,
só me aprofundo como quem viaja e se embriaga da ternura
que vem do céu, do que nos deixa mudos e surdos, mas somente 
para o pequeno instante, somente para prorrogar, um pouco 
a mais de vida,vida  que está instalada por dentro, para sair
à tempo  da monótona ação do desgaste e da incerteza que 
apavora o mundo...

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

É o que há...

   A verdade, é inteira...se apresenta 
   de forma brilhante.
   Vaza como os raios do sol...
   A verdade é sentinela da alma,
   é razão, é nitidez de águas!
   É o que há e permanece,sempre 
   prevalece sobre o mal.
   Mesmo havendo contrariedades, 
   ela é,simplesmente...
   Se hasteia feito bandeira a nos 
   conduzir rumo à justiça!

A água ...

Se preservarmos a água 
ainda veremos algumas
flores...
Sentiremos os perfumes
pairando entre as lindas
borboletas.
Ouviremos o canto das 
cigarras!
Ainda estaremos aqui  e 
veremos todo o resto de
belezas que há no mundo...
Ainda teremos os sabiás 
para abrirem com alegrias
as nossas manhãs.
Ainda haverá tempo, se 
matarmos a sede da  
ganância que habita em
todos os homens...

domingo, 22 de novembro de 2015

Compor um poema...

Compor um poema sem razão ou significado, sem emoção,
é como uma construção sem estrutura, sem alicerce. É  ver 
uma rosa e não sentir seu perfume. É como  um pássaro sem 
asas, um instrumento sem som...
Compor um poema que não se veja a luz, que não tenha cor 
e não produza ao menos um suspiro de amor, é tristeza,
é como se tudo em volta perdesse o  chão, e como se tudo 
permanecesse em trevas!
Compor um poema  sem sentir a brisa no rosto, sem amenizar 
um desgosto e nem cobrir a dor, é como se estivéssemos 
mumificados, gélidos de coração...
É como se nunca tivéssemos ouvido uma canção... e na surdez de
alma o tempo parasse nos jogando em solidão.
Compor um poema é largar-se em harmonia com os movimentos
da vida,  enquanto o mundo gira...
É gostar de um passeio sob a lua, contando estrelas. É mansidão!
Compor um poema, é compor todos os momentos vividos, num 
singelo tema de paz ... é  transbordar sentimentos de amor e 
muito mais...

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Ai,vida...

Enquanto os homens vão se extinguindo mundo 
a  fora...vamos seguindo!
Enquanto a escassez das águas traz torturas e 
necessidades, o sacrifício extingue as forças do 
arado no preparo da terra abençoando o chão.
Uma semente infantil brota, e outras adolescem 
flor em botão...Surgindo novos guerreiros da 
futura geração, lutando e protestando por 
melhor educação.
Buscando conhecimentos, esperam, não seja em
vão...
Em ritmo constrangedor, de preconceito e desamor,
segue a vida computando ao mundo o terror!
Enquanto a vida se extingue, no ar, na terra e no 
mar...Mães,"senhoras santas", choram seus filhos,
que não vão mais voltar! 
Outros, choram melindres,reclamando de barriga 
cheia, enquanto muitos lutam incansavelmente 
hasteando suas bandeiras.
A vida segue onde tantos mais, não desejam as guerras,
tão pouco as cicatrizes, então, tatuam seus corpos para 
sentirem-se felizes.
Enquanto  que para outros, as vidas se extinguem em abortos 
e deslizes!
Assim,vai a humanidade no declive, guardando memórias 
e raízes  para um futuro já morto, como nas águas doces de 
Mariana...

Sonhos altos...


segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Dar esperanças

Mas, o que é dar esperanças onde não há entendimento,
onde o cansaço se instalou  há tempos? ...  De  que 
valem os exemplos de refazimento, se quem está mais
necessitado não aceita, não quer  mudanças  de
comportamento, nem quer  transformação?
Há os que nada mais desejam, a não ser, ter  toda
atenção sobre si. Sofrem, mas  fingem como
se não ocorresse tal dor, a frieza prevalece...a fé,
ah,a fé já se perdeu...Não sabem que crer  é
ter esperança é dar esperança...é mostrar-se forte
quando todos fraquejaram, e essa dor disfarçada,
de repente, pode sorrir reconfortada  no que o outro
sofreu,  suportou  e se  afirmou,  confiante de que a
espera valeu ...O que é dar esperança à quem
não mais a tem, é dar- lhe nova chance de aprender
com seus erros, para perceber que  nem  tudo  está
terminado, que há recomeços, que podem existir saídas,
que o amor verdadeiro  é incondicional...
Dar esperanças é ofertar carinho e paz, sentir  que o
sol nascerá  apesar do temporal, é confiar, tentar de novo,
é acreditar com humildade que "dias melhores  virão..."

domingo, 15 de novembro de 2015

Senha...

Existem muitas portas, são portas comuns. São portas 
de quem caminha de um canto a outro, livres... São os
momentos em que observo detalhes, até mesmo das 
paredes. Gosto de perceber estruturas para pisar o 
chão que antes não havia pisado...
As portas que abro, são de aparentes conformidades,
onde avanço para o desconhecido...não precisam 
ser exatas. Muitos fazem o mesmo, abrem portas ,mas, 
as deixam abertas...talvez de propósito, ou distraídos!
Há outros, que amedrontados, estacionam à beira do
caminho, sem coragem.  Não querem construir as 
suas, nem se quer fazem uso da curiosidade... fecham-nas
simplesmente ...Assustam -se com os códigos,  as chaves,
os cadeados... os segredos... e aí, desistem!
As portas que abro  por conta e risco, são próprias, mas, 
posso dividir espaços  junto aos que não estão com pressa
e que carregam seus próprios códigos.Contudo, a senha é 
única para todos, a senha é  J -e-s-u-s!

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Ainda é primavera...

Está chovendo...ainda é primavera e as gotas 
se espalham pelos canteiros e jardins...
Não se ouve nada além do barulho das águas.
Um calmante se derrama pelas flores que já não 
suportavam a secura, suas folhas balançam em
risos de gratidão aos céus.
Vejo pássaros escondidos num tronco,tão bem 
guardados que nem percebem a companhia do sr.
gambá, tomando carona na mesma árvore...
Até o galo,hoje não o ouvi a cantar,está lá,  todo
encaramujado com preguiça esperando a chuva 
passar...Talvez esteja com frio, coitado!
Ainda é primavera e a longa jornada logo virá! 
Virá no volume das águas,limpando as ruas e as 
calçadas,assim como as mágoas que insistem em
ficar...
Está chovendo... agora são as gotas de lágrimas 
rolando  no rosto,pela saudade que há de passar!

Faces...

Cruzo comigo  todos os dias ao me
olhar no espelho, mas não é um simples 
olhar... É curioso, é  cheio de desejos por
uma bela face, mas, não a face da ilusória
beleza,  que além de passageira,  torna-se
vazia  com o super ego...
A face que desejo e procuro ver no espelho 
dos dias, atravessa o portal do meu íntimo, 
percorre as camadas profundas, entrevê as 
batidas do coração ... subtrai o ritmo  ao 
menor descompasso, esconde-se e recua...
avança e se joga num tremor entre o medo
e a emoção...Passa por metamorfoses que
até  paralisam os sentidos... sem gemido que
me  faça fugir ou cair ... apesar de que, posso 
sem culpas ou choramingas, escolher...
A  face que busco ao cruzar comigo todos os 
dias, é bem um desejo de que eu permaneça e  
não mude, porque é esse desejo que me guia 
à refletir  para me conhecer, dando coragem e
plenos poderes de ser como sou... deixando a
nítida certeza  que sou verdadeira, essa é a
face que me corrige e  questiona, à cada passo
equivocado . Todos precisamos de espelhos...

terça-feira, 3 de novembro de 2015

Descaso...

Eu , pessoa comum, sem nevoeiros ou novidades,
mas com um respirar profundo, absorvendo à 
minha volta, o certo e o errado. O barulho, o 
movimento, o  trágico e o cômico!
O que é constante e também o avulso, os contentes 
e  os rebelados...  e as vítimas sem pulso!
Atesto meu próprio resumo vendo o ópio espalhado
no mundo!
Respiro e reparto o ar com os meus iguais até onde 
a poluição permita, mas...há poluições mais carregadas
e escuras que outras, principalmente as vindas com a
fumaça da corrupção, o descaso, a poluição sonora e a
midiática...
Observo a indiferença constatando o tormento, os danos,
cujo controle é essencial para a paz e subsistência...
Em momento algum posso matar em mim, o que traz 
felicidade natural...mas, quando  por válvula -de -escape 
faço-me desabafo...os rebelados, os descrevo como seres
que não reagem por acaso, e os contentes em demasiado, os
defino como egoístas, pois  não se pode contentar-se diante 
de tantas poluições e violências...não o tempo todo..."Me refiro 
aqui, basicamente à politicalha, a esses que riem de nós como
se não causassem crises no país..."

domingo, 11 de outubro de 2015

Acabará ?...

Se a poesia acabar por falta de poetas, a vida 
ficará mais triste e sumirá por algum tempo
o encanto das florestas... as aves, as cores...
O Sol  perderá seu brilho e a Lua se apagará!
Nas ruas  as crianças semi nuas...Quem delas 
falará ? E das flores?
Se a poesia se calar  gritará a dor aprisionada ao
peito. E um dia, sem se pensar  que a poesia possa
acabar...ainda que haja pouco amor e paixão, ou
mesmo sucateada entre mágoas de solidão, e que 
tudo pareça desfeito em escombros, escondida,
estará lá! Brotar-se-á no futuro, poesia ,de qualquer 
jeito...


sábado, 10 de outubro de 2015

Doce...

O cheiro doce que frutifica as manhãs  são raros...
Como raras são as cores ensolaradas sob o céu.
Os sons da primavera são suaves.Casa nova! São 
os ninhos em renovação ...
Os pingentes que balançam são  brincos-de-princesa,
ainda estão à espera de chamar a atenção de  mais 
admiradores...
Quem não para a ouvir os pingos da chuva e o bailar
de folhas ao pé- de- vento,  perde momentos especiais...
lindos!  Fantástica agitação para remontar o cenário 
envelhecido.
Qualquer lugar se transforma em festa e logo surge o
canto inconfundível das cigarras!
O cheiro doce das manhãs são dos que não estão com 
pressa...e os pingos da chuva, bençãos que se espalham
no ar!
No cheiro doce está o trabalho incansável das abelhas,
o mel...E como trabalham as formigas para formar o doce 
lar...
E quando vemos um espinhoso cacto abrigando o alimento
de um beija-flor... Aí, dói -nos a lembrança das queimadas
e escassez do amor...

terça-feira, 6 de outubro de 2015

Céu estrelado...

Um céu cheio de estrelas nos convida a admirá-lo.
Nos convida a viajar e flutuar em suaves nuvens...
Nessas noites em que  o  ponto mais interessante 
é o luar!
Pudéramos todos seguirmos uma mesma estrela,
um mesmo foco, dançar com a mesma melodia e
sob o mesmo luar. Num mesmo instante, fazer juras 
de amor! Desarmados da espada traiçoeira do 
ciúmes...chorarmos de contentamento e gratidão!
Nessas noites em que o ponto mais apreciável é o
luar, usá-lo como rota singela de união , de paz...
De pensamentos combinados, não para nos perdermos
da própria realidade ou esquecermos nossa vontade,
somos vulneráveis demais em personalidade  e
orgulhosos demais para ceder aos clarões da lua,
farol luminoso  presenteado pelo Criador ...Mas
um céu cheio de estrelas, nos convida  num simples
 olhar a  relembrar quão pequenos somos. Contudo,
nos convida a sonhar que podemos crescer, que podemos
conhecer o infinito...e num sono merecido, embalados 
no colo da noite, descansar...descansar...descansar...

domingo, 4 de outubro de 2015

Somos apenas elos...

Não  deixemos a tristeza  nos corroer por dentro.
Temos um recurso imenso chamado "força"...
As pequenas  fendas nos enganam,então, pisamos 
em falso,crendo que caminhos curtos possam nos 
levar rapidamente ao alcance, nem todos...
Ilusão  querermos atropelar as coisas. Temos como 
já disse,"força"! Inclusive, para não sermos dominados
pela precipitação, não a força bruta,  mas no espírito!
Nossos objetivos, se forem sérios, serão atingidos com 
foco e determinação, com calma, com alma...
A paz requer atributos incansáveis do bem, pede-nos a
paciência como bandeira, pede-nos astúcia e entendimento.
Se estamos aqui de passagem, e é o que parece, temos que 
exorcizar  nosso íntimo afastando a indiferença, o ódio e 
o orgulho...
Não podemos acreditar que sejamos mais do que outros,
que não precisemos uns dos outros, porque não somos ilhas, 
somos elos de imensa corrente, que só terá sentido quando 
o amor fechar o círculo, e assim, compreendermos nosso
 significado...quando nossas alegrias somente se realizarão 
com as alegrias e vitórias dos outros... isso independe de 
religião, apenas precisamos ter  coração !

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Um sabiá...

Era uma vez um sabiá  estufando o peito 
a cantar, bicando as muitas amoras, cheio 
de  alegrias no ar...
Certo dia  veio ao jardim visitar!Passou mais
tempo que antes e aumentou seu cantar...
Escondeu-se no telhado, para ali fazer seu ninho.
Preparando-o com palhas, assim fazem os 
passarinhos!
Durante muito tempo, cantou ainda melhor!
Um dia, de manhãzinha, cheio de paz e de vida,
voava agitado ao redor! Eram os filhotes pedindo
comida!
Sabiá! Como é lindo seu cantar!
Era uma vez...mais um , dois dias ou três! Ouvia-se 
o canto se espalhar! Até que seu canto cessou...
mas pude suas penas notar. Estavam pelo chão e nem 
sombra do sabiá!
Apenas um gato malhado, obediente aos instintos,
deixou meus dias tristonhos.  Agora, só o  vejo em
meus sonhos! Como é lindo um sabiá!

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Tempos atrás ...

Sentávamos  todos à porta, nos degraus , nas calçadas,
Livres! Livres com alegrias e por todos os lados
risadas ...
Pulávamos poças de água, barquinhos de papel!
Muita lama, muito grude!
Uma rodada de pião, a mula-manca, uma corrida, vaga-lumes!
Um beijo e abraço ou aperto de mão... passa-anel!
Capuchetas de  jornal, pipas, rabiolas de tirinhas, linhas,
sem o  maldoso cerol, fazendo graça sob o sol!
Haviam guerras de mamonas e disputas de figurinhas...
Stop..dois...ou...um!
O jogo de dama, a festa de São João...reuniões no quintal
combinando explorações, curiosidades marcadas em muitos
corações!
Quando crianças,sentávamos nos degraus dos comércios, nas
ruas até a noitinha...sem medo!
Remedávamos a mãe e em seguida, arrependidos, pedíamos
"clemência!"
Eram risadas que brotavam nas bocas da inocência, apanhávamos
assim mesmo ! Minutos depois...um abraço, um carinho, um prato
saboroso e uma doce voz..."Vem,filho! Vem logo fazer seu
lanchinho!"

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Por todos ...

Se a vida imperar poderemos sonhar mais...
Saberemos que a poesia não morrerá, ao 
contrário, brotará em flores mil, em acalantos
 vibrantes nas canções...
O azul de anil não será grito de dor em mar 
aberto num rastro de fuga,causado pelo egoísmo.
A luz brilhará de qualquer jeito,feito grande 
explosão de amor no peito!
Brilhará pelas causas justas, aos insatisfeitos 
pela fome... Brilhará!
Na certeza dos nascimentos de olhares infantis, 
para um novo mundo, sem rejeições...
Se a vida imperar em todos os pontos, as madrugadas 
frias, serão mornas e cheias de esperanças!
"Amemo-nos uns aos outros"! Como crianças que se 
abraçam e se eternizam na multidão, gravando suas
memórias de paz para o futuro.

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Uma farra...

O vento farreia em roda, farreia com as folhas 
secas e as joga para o chão!
O vento roda em moinhos, contrastando no
espelho das águas em mansidão...
Quanta farra faz o vento fagueiro, num pé de 
limoeiro!
E vem  beija-flor, e vem sabiá, o vento batendo 
entre as plantas , pra lá e pra cá...
O vento girando levanta a poeira, como que
anunciando nova sementeira...
E vem farreando com as cascas das frutas, com 
as bananeiras, explorando o perfume da flor-de-
laranjeira!
Faz algazarra na calha da casa, apavorando o gato 
no telhado e espantando as abelhas...
E vem tempestade! É chuva que limpa,e lama vermelha!
E vem novo sol, que seca e aquece...
E tem borboletas de todas as cores, falando de amores 
de luzes e paz...
E trazem saudades de ternura e lembranças que
invadem o coração...

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Como uma mágica...

Bem que poderia ser tudo diferente, um grande 
passe de mágica, então, não mais haveriam 
guerras, nem dores, nem lágrimas...nem órfãos,
nem violência ou ódio, tão pouco,  mães a 
chorarem por seus filhos, nem mesmo a fome...
Bastaria uma vara de condão chamada amor...
só!!!

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Em viagem...

O horizonte  sempre nos presenteia com sua paz
e beleza.
Não há monotonia! O sol  muda de posição e segue
em desfile de luzes sem preço...
O horizonte parece distante na longa estrada,o chão 
se perde na imensidão.Tudo parece ser uma eterna 
demora...
Com pressa, não se vê a natureza em festa, nem as 
montanhas, as casinhas que parecem pinturas, nem 
as pradarias. Só as percebemos em lances, são lindas 
 prateiam  ao romper do dia e também no brilho do 
luar...
Essa relva toda do caminho se balança  em harmonia,
tudo é festa e movimento!
De quando em quando  se vê um pequeno salto de um 
animal moribundo cercando sua caça.
A festa em meio ao prado é constância, é vida sem prazo...
é liberdade, onde o espírito parece criar asas no pensamento,
é mansão de criadores de histórias e de saudades...

quarta-feira, 12 de agosto de 2015

Família...

Nascemos ! Embalados nos braços familiares,
alegrando alguns ,e a outros, talvez aborrecendo.
Entre inocências de infância e peraltices agarradas
ao colo...crescemos.
Adolescendo, passamos por mundos incompreensíveis,
mas, aprendemos o principal... -"Vai, daqui para a frente,
é por si!"...Em um tempo bom demais para se ter uma
qualidade de vida e difícil demais para se viver.Haviam
necessidades escondidas, mas, tínhamos pai e mãe para nos
proteger...Nem sempre, eu sei, cada um tem  seus  motivos
sórdidos ou bons para abandonos. Contudo, pobreza e falta
de fé, não apagam estruturas íntimas do que recebemos sem
ao menos termos comprado ou pago por elas.Sentimentos
básicos de verdades, que só podem vir de uma cultura familiar, 
nos princípios do bem,do respeito e do amor...
Não importa quais rótulos tenhamos ou como fomos criados.
Com simplicidades nos tornamos humildes, nossas necessidades
são menores, nos contentamos com o que temos. Longe de uma
ideia contrária à prosperidade,  mas  favorecendo ideias de
equilíbrios...sem ganâncias ou extravagâncias ...
Com o que temos, não precisa haver fome  nem faltas...Vamos
aprendendo a repartir  pela união fraterna. Então, vemos que
temos tesouros sem fim...
A família nos dá a oportunidade dos melhores aprendizados e 
dos maiores exercícios de convivência.
Quem  tem sua família,valorize,dê apoio,embale,proteja,ela
será sempre  o seu alicerce.

terça-feira, 4 de agosto de 2015

Viverá...

Podemos enumerar sentimentos que vamos
construindo pela vida...
Podemos pensar no ventre materno.Quando 
em emoções, sem limites, uma nova semente 
se agarra com todas as forças para viver...
Estará presa ali, por nove longos meses. É 
claro que viverá, se ninguém a expulsar ou 
nenhum incidente vier...Viverá as grandes
alegrias e,  na ansiedade, aprenderá a esperar...  
Assim como sua mãe, sim, doce palavra...mãe!
Viverá as aventuras, juntinho!Sentirá e ouvirá 
seu coração, ouvirá o próprio coração bater 
em uníssono,  e sonhará...
Sonhará como ninguém pode fazê-lo estando
de fora...perceberá tudo e todos, até dará pulinhos 
de felicidades ao chegar perto do papai... e terá 
fome, sugará o dedo, e dará chutes, quando  se 
sentir incomodado ou em aperto...
Podemos pensar e enumerar sensações que ele 
poderá ter, e com certeza, quem estiver em volta,
irá presenciar fortemente essa espera, até irão 
derramar lágrimas de emoção à cada dia vivido!
E viverá, se o egoísmo não o assaltar, e tirar-lhe 
da cena antes do show terminar...antes de poder 
ver como é linda a luz do dia , o sol, o azul do céu! 
Viverá  cada segundo, assim como nós desejamos 
viver minuto a minuto nossa existência...Viverá, se 
a "brutalidade humana", não chegar primeiro e 
destruir com sua vaidade e desafio, uma linda e 
fantástica obra ...

sábado, 25 de julho de 2015

Desarmar-se...

 Desarmar-se perante a estupidez do mundo,
 desarmar-se  no olhar da soberba ,o ódio...
Desarmar o olhar de descaso com que se vê 
nas esquinas da pobreza a angústia de dor.
Desarmar-se de tudo o que traz tristeza.
Sendo a vida tão passageira,que importa o 
tamanho das batalhas,elas surgem para nos
revirar por dentro e mudar os rumos do que 
antes era estagnação e silêncio.
Quando desarmados ,cedemos,escolhemos a 
aparente derrota...escolhemos a paz.
O adversário, se ri, ironiza, não compreende o
 quanto é desnecessária uma vingança,quanto 
é retrógrada e mesquinha.
Desarmar-se é tornar-se transparente, se deixar
levar, não se fazendo vítima, mas  tornando-se 
mansidão, assim foi o Cristo, assim é o Cristão!



domingo, 19 de julho de 2015

A poesia é um canal de luz, criado para ativar a chama
         do amor, sempre que nos encontrarmos enfraquecidos

         pelos  desafetos e pelas angústias naturais da não

         aceitação...
         

Campanha...

Tio,me coloque em teus braços fortes, eu
sou tão franzino  ainda, me proteja,me veja!
Quero ter as chances que muitos têm...
Quero acordar de manhã, em cama limpa e
não precisa ser de seda meu enxoval, pode
ser do puro algodão... bem melhor do que 
um papelão ou jornal na frieza do chão...
Sonho em ver um dia, a  televisão em um sofá,
uma pipoca quentinha e nada para ameaçar...
Quero um álbum de fotos, igual eu vi na vitrine!
A diferença é que seriam pessoas que se mexem,
é sorriso de verdade,sem poses...Queria que ao 
olhar em meus olhos não visse minha aparência 
desleixada, mas, minha aparência ansiosa para 
que me reconheça  como alguém importante. Isso!
Importante o suficiente para me admirar, me levar 
pela mão,como toda criança normal.Me reconheça 
como alguém especial,que de você, só queira o calor, 
só queira um abraço,um beijo de boa noite,um toque!
Já senti muitos toques,tio!...Mas de brutalidade e ódio...
toques como se toca a um cão,senti fome e solidão!
Vai, me reconheça como seu amigo, não vou te dar
 decepção,vou à escola! Só peço desculpas,de antemão,  
se  eu desejar te agradar e não ter com o quê, mas ,que 
se valer uma risada bem dada , de felicidade ,isso sei,
posso prometer...felicidade de estar com você !
Vou para a escola e vou te agradecer...
Ah! Isso eu posso fazer! Experimente cuidar de mim!
Melhor  do que eu, só cachorrinho de madame tio!

quarta-feira, 15 de julho de 2015

Caprichos da vida...

A vida tem seus caprichos tem minúcias e artifícios!
O Pai Criador fez maravilhas,  fez seus filhos e filhas.
Até mesmo o  joão -de-barro, um canário e o condor ...
Ao viver, todos sentimos quão bonito é  o seu  amor!
Numa música suave, no canto do sabiá, tudo é um rio
que corre, com histórias para  contar ...
Nos caprichos dessa vida vemos dentes de leite  atirados aos
telhados,  na esperança  que voltem mais fortes e bem cuidados.
E do céu, então, pinga vida em forma  de chuva! De mel, são as nossas uvas!
Contamos borboletas miúdas  dando lições de desapego, abandonando  seus
casulos para voarem na imensidão, e do chão, brota o ouro negro ...
Mais que um capricho, é o mar com seu fundo colorido. Quanta
surpresa guardada, quanto tesouro perdido!
E novamente, um capricho do Criador, uma semente na barriga germina a vida
em flor ...
Alguém com juntas e cismas  num cérebro delicado, uma costela fininha  e um
coração assanhado ... pedindo leite e colo, todo feliz e  mimado!
Ah, o mundo e seus artifícios, quando  não são de fogos, são na política 
desculpados ... nas minúcias  ajuizados ...a seus próprios  benefícios!
Caprichos da natureza, de paisagens e extrema beleza. Iluminados por luzes
de estrelas, de quinta grandeza  e bem mais!
A vida tem seus caprichos e mistérios também! Quem sabe sarar os vícios? E os
milagres verdadeiros, quem os tem? Sem o ar que respiramos  não sobraria
ninguém!
Entre tantos caprichos da vida, mais um  me chama a atenção! De não sabermos se 
morrer é dormir, ou  viver, se devemos sonhar em vão. Mas, uma dúvida  me vem ao
fundo da alma e  penso ... O mundo é causa perdida para aqueles que aqui não estão?



domingo, 12 de julho de 2015

Cisnes...

Num deslize suave, levam os corpos emplumados,
ao toque de uma sinfonia...passeando entre
lagos e  correntes frias.
Seguem  num balé desperdiçado, porque  no
silêncio das horas , muitos dormem...Até os
seus iguais! Perdem o encanto que a lua insiste
em focar...então derramam seu pranto no espelho
das águas  e depois, conformados abrem suas asas,
como finos mantos...
Os cisnes ,apaixonados se acasalam em graça  e
delicadeza. Inebriados pela continuidade de sua
natureza, precisam repetir o show de beleza, antes
que o dia os entorpeçam no calor do sol, antes que a
melodia se cale entre os passarinhos e se entristeçam
na morte inevitável...
Os cisnes são raros! Sendo amados, felizes dançam,
numa magia incomparável...

sábado, 11 de julho de 2015

"Os seres..."

Nós humanos somos seres  admiráveis...
Certamente, dos mais incríveis que possam 
existir  nesse mundo!
É através de nossas aventuras, de
nossas audácias, que nos propomos a
evoluir. Por vezes, duvidamos de nossas
capacidades de inteligir e desenvolver
projetos que possam nos auxiliar e
também ajudar o nosso  planeta.
Em muitas conquistas, atingimos o ápice,
mas pelo orgulho, nos envaidecemos tanto,
ao ponto de tropeçarmos nos próprios feitos...
"O homem , é mesmo o senhor de si!"

quinta-feira, 9 de julho de 2015

Acordos...

Fazemos acordos durante nossas existências.
Vivemos entre a sabedoria tida por experiências 
e a coragem, que obstinada  e veloz , sem tempo
para experimentos nos impulsiona a qualquer
preço...
Fazemos acordos porque possuímos necessidades
de seguir adiante.
Fazemos acordos por termos sentimentos de justiça
e também receios...
Acordos nos proporcionam o desenvolver das
percepções e da tolerância recíproca.
Fazemos acordos com a vida, e até podemos fazer
com a morte...na coragem, assumimos os riscos e
aprendemos a merecer os créditos...

terça-feira, 7 de julho de 2015

Venha...

Venha comigo ver a noite avançar em estrelas!
Venha! Mesmo no tempo invernoso, elas brilham,
brilham mais ainda por estarem sustentando-se
sob um céu nublado, estão lá , não duvide...
A lua também é testemunha da presença desse
brilho!
A lua é a magia  que faz encantamentos sobre o
mar,  para nos envolver, nos fazer sonhar e nos
ensinar seus segredos!
Venha, venha olhar para o céu! Para o alto! 
Sentir-se parte do poder de Deus, ele nos permite!
Venha comigo, sonhe comigo, a liberdade está em
teus sentidos... é só fechar os olhos, mesmo na
escuridão da alma doente, sonhar é possível !
As estrelas vão mostrar as alegrias das três Marias
e o cruzeiro do Sul, elas vão mostrar romarias do
amanhecer e a poesia que irá nascer...sonhe!

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Cortinas...

Vemos o céu com suas trilhas de estrelas, vemos o
Universo num desfile cósmico...transcendental!
Vemos a sabedoria divina, que não é nossa, sentimos
o ar...
Vemos vidas nascendo e outras sepultadas, vemos a dor
espalhada, mas, dizemos que é a "vontade do Criador".
Vemos crianças crescendo em flores, esperando os
seus jardineiros, que folgam, se dizendo cansados...
Vemos o amor maternal, e a falta de pai!
Vemos as paisagens entre as montanhas, caladas há milênios,
donde muitos ainda não  escalaram.
Vemos pedras e cristais colorindo paredes , onde nunca precisaremos
mudar os temas, mesmo porque não são nossos!
Vemos pessoas enrugadas, ansiosas para que o relógio marque mais
alguns segundos de vida, e vemos as marcas pelo calejar das mãos,
cujo maior investimento, em sua maioria, foi o trabalho...
Vemos! Oh sim, vemos tantas carências , fomes e guerras ,ainda não
nos acostumamos com essas assombrosas cenas, mas as repetimos o
tempo todo. Então ,criticamos as coisas mais corriqueiras e banais,
para dizer que nos importamos...só para desviar nossas fraquezas...
só para disfarçar nossas fraquezas...

sábado, 20 de junho de 2015

Abrir o riso...

Abrir o riso enquanto se abre a flor!
Abrir  claridade onde a noite é treva.
Abrir  o riso, a paz... a cor.
Abrir os olhos para ver melhor, abrir 
a boca para beber o hálito da manhã!
Abrir fronteiras que bloqueiam sentimentos.
Abrir caminhos para o perdão, para ser sol...
Abrir um livro bom, um perfume que agrade, 
uma fresta na janela para esperar o dia chegar!
Abrir  a porta da solidão, deixá-la passar...
Abrir o riso, a alegria e a vontade de falar o que
o silêncio não deixa, o que o coração queixa, a 
caixinha de Pandora sem ter medos...
Abrir o tempo mesmo que chova, abrir os portais 
da vida e deixar o amor  nascer, deixar  viver e
renascer  no riso, o botão em flor!


sábado, 13 de junho de 2015

Instrumentos...

No domínio da natureza  somos instrumentos que ardem em 
cortes profundos, é quando estamos a cavar tesouros, sem ao 
menos pequeno apreço  pelo que não é eterno, pelo que se faz 
extinto. Somos tiranos ao nos desdobrarmos em movimentos a favor 
da destruição de vidas, com o aborto, das quais, nos acreditamos donos...
Somos cruéis na hipótese de vingança, no julgamento e nos mais 
acalorados sentimentos de ódio e de abandonos...
A injustiça é parte dessa incoerência no mundo. Somos  inteligencias 
pedindo reparos, o preconceito e a razão... Somos a falta de educação!
Somos ilhas de egoísmos, aclamando atenção... Somos um império de 
enigmas e religiões...
Somos autenticidades na fé e não conhecemos o perdão.  Ainda se usa 
justiça com a própria mão e a pobreza é dura demais para estar presente
em qualquer reunião... Somos uma Nação, mas abdicamos  ao ventre... Nos
lançamos à outros rumos, sem guardar nossa história, somos ausentes!
Para a pureza infantil,  dá-se cartilhas, cujo aprendizado compete à 
família...o sexo e o retrocesso! Nem ciências ou matemática, e  sim,  nossa 
Língua em decadência, destroçada, banalizou geral! Será sempre carnaval o 
melhor "estado "do Brasil, não esquecendo o futebol, difícil de ser engolido.
Somos tão bons e tão maus, que nem sabemos porque aqui fomos nascidos...
Mas, entre mortos e feridos,  o consolo... Somos humanos afinal!

sábado, 6 de junho de 2015

lucidez...

Nasce, morre e volta, se esconde. Até onde sacrifícios?
Nasce, cresce e concorre, estremece... se faz e adormece.
Se muda pra longe... Até onde?
Nasce e  renasce, atravessa o dia e escurece nas ruas.
Solidão... se embriaga... até onde ? É doença? É vício?
Nasce, transborda e viaja, navega por águas, cavalga
por montes, até onde?
Nasce e renasce.... muito mais do que antes, naufraga 
e sofre, até onde?
Nasce e planeja, sustenta e renega. O fogo o consome e
então some, até onde?
Até onde vai a vertigem do ser, a fome,  o querer?
Até onde a maré vai subir sem que se afogue numa espuma
de praia? ... Até quando a areia quente espalhada  apagará
seus  rastros ? Até onde?
Até que se ria de mim, de você ou do mundo... Até que
ninguém mais se importe? Até onde seus olhos enxerguem,
ou não! Até que tudo esteja  consumado. Uma dose? 
Até onde é o limite do infortúnio? Para onde vão todos os
passos desequilibrados? ...Desavisados, bêbados  e loucos conseguem ir? 
Até onde? Trançando  caminhos ? Haverá nos bolsos convites 
ao céu quando a lucidez  retornar?  Existirão aplausos ou paz ?
Irão continuar carregando um  dragão no sopro?... Até onde?
Beberão! Brindarão as fantasias e  permanecerão iludidos com
seus próprios manifestos de indignação, na soleira da porta
temporal dormirão ... Até quando?

quinta-feira, 4 de junho de 2015

A cara metade...

Para todos nós há uma metade guardada, o que se 
pode chamar de "sua parte", a parte que te cabe.
A parte que possui com mérito, e é só sua...
Há sempre uma parte que nos complete e que
nos satisfaça, características comuns à outra  
parte, de modo, que há sempre alguém esperando o
encontro dela, uma conexão nem sempre atingida.
Embora existente, não está à disposição... o que nos
parece ser justamente aquela parte que poderia nos 
completar, a conexão perfeita! Ilusão!
Quando duas partes iguais, ou mesmo semelhantes
se encontram, a ação num primeiro instante é de 
positividade, êxtase, paixão e encantamento...
A convivência  permite a princípio, conhecer melhor 
a outra parte. Mas  o tempo que é o dono da razão, faz
com que se  estabeleça uma ideia mais precisa de uma 
e outra. É aí, que ao se observar melhor vem um choque,
deparando-se com os limites da outra, as digitais. Nota-se
que a outra parte, já era acostumada consigo mesma, que
era absoluta, tinha sua própria  marca, sempre em 
prontidão para ser inteira e com personalidade egoísta.
E a outra, começa a se assemelhar, como uma saliência, algo 
que antes não existia ali, então, a própria semelhança que 
se manifestava em demasia, torna-se conflito.Os iguais,
por anseios de liberdade, vaidosamente concorrendo entre si, não 
mais se adequam, buscam o diferente, a novidade...
As duas partes, desconexas então, se repelem pelo fato 
de "serem."  O igual, elas já conhecem. Não amplia, não agrega...
Nos conhecendo a fundo, nos tornamos inteiros e de repente,
viver sozinhos nos deixaria mais exatos, mais coerentes!
Portanto, almas gêmeas serviriam apenas para difundir o que há de 
espiritual, sensível, e livre de tudo o que seja disputa ou inveja.
O respeito pela individualidade  justificando a amizade, seria  a 
harmonia para ambas as partes, traria a soma de luz interior que
enaltece,  eternizando  carinho e afeto, transformados pelo tempo 
em puro amor...
Entendo que uma metade perfeita, pode ser exatamente aquela que
se dispõe a  compreender nossas diferenças, aceitando-nos apesar 
delas...

segunda-feira, 1 de junho de 2015

Pequeno desabafo...

Abaixo os que  pisam seu próximo, pisam as flores e todo um jardim.
Abaixo os infelizes que se sentem grandes ao humilhar e maltratar 
animais!...Caiam de seus tronos, os que acreditam-se superiores, e por 
isso, derramam a arrogância,  exploram e fazem escravidão...não têm 
um mínimo de respeito pelo planeta !
Abaixo, pois, a hipocrisia! A guerra santa, a tirania...o preconceito e
as diferenças raciais. Somos constituídos pela mesma massa, somos
iguais, mudam os olhos, as cores, as  comidas, mas por dentro, temos 
sempre a igual vida. Temos sentimentos e razão...Mas nossas almas,
muitas vezes, estão distorcidas pelo ódio e desamor... 
Então, vem o crime, a corrupção!
Crime  e terror!...Brigas por time ou religião!
Abaixo! As  "baixezas", as "vilezas", o orgulho de "ser !"... Abaixo também, 
os indiferentes e os covardes...a falta de perdão!
Abaixo! Temos que  aumentar  a união, desenvolver o milagre da paz!
Podemos e devemos  transformar,  fazer o amor e a luz virar moda e não
uma esmola que se estende, mas,  uma alternativa para nossa evolução.
Abaixo, sentimentos envelhecidos!
Homens evoluídos,  constroem... educam, não matam!

quinta-feira, 28 de maio de 2015

Nosso sol!

Venha deslumbrante claridade sobre nós, ó raio de sol!
Deslumbrante! Bronzeando a fronte, bronzeando a pele!
Venha sobre nós, dourando  o trigo, pairando nas finas
barbatanas dos peixes, em brilho de luz sobre as águas,e
prata por escamas...
Venha raio de sol, com seu fogo aquecer o nosso peito, o 
nosso leito, curando dores no rubor de tuas chamas...
Sol que ilumina o horizonte, dourando a serra em verde chão.
Sol que nos tira o fôlego com beleza,  tirando as tristezas
e nos trazendo emoção.
Sol que refaz  a alegria  quando manifesta o arco-íris. 
Dá vontade de colher as cores, num lindo laço e fazer festa,
lá no regaço dos beija-flores. Num pote de mel lamber o céu
refletido em vidro... Sol que desejamos sempre,  trazendo seu
calor, abafando o ar e liberando as chuvas no firmamento.
Sol!  Tão abençoado, que nos campos distribui -nos alimentos...
Ó sol , és o coração do Cristo  por toda terra se espalhando!

terça-feira, 19 de maio de 2015

Mal-me-quer...

Bem - querer, corteja e me acaricia as mãos,Mal -me -quer
não...
Bem -fazer é suave,cheio de paz e de amor.Mal me quer ?
Não,não me quer bem...mal me olha,mal me vê...mal me deixa!
Bem-querer é bondade,simpatia,sorrisos,até me leva às alturas.
Bem -querer,é pura aventura ...mas o mal ,me quer mal, só ilusão 
e paixão. É loucura de verão, é aprendiz de bem- querer,é tortura.
A paixão não escolhe rosto,mas quer beleza por alimento,tem sua
vaidade como  instrumento ,é quando mal te vejo.Mas o querer 
é benfazejo,me anima e se aproxima.Já o mal -me -quer,se despetalou
com os restos da margarida,esquecida no chão de um jardim...e o mal 
que mal me quis ,foi assim,mal -entendido, mal súbito,desfaleceu sozinho,
pois ,o bem- querer tão querido,se condoeu por mim.O bem ,feliz por ter
nascido, desfez o mal, agradecido!

sexta-feira, 15 de maio de 2015

Razões...

Sem lógica,sem tempo,sem lugar. Um rápido e frio
episódio de audácia com liberdades...
Talvez ,depois de tantas exclamações e de lágrimas.
Dúvidas!Tantas inexperiências de afetos , talvez  por
não saber amar...Talvez o cansaço que espera sôfrego
a qualquer um, o  pavor de rejeição. 
A dor do outro dia, que não foi esquecida...É, talvez sim!
Talvez ,as complicações formadas sem querer ,valores desprezados,
o ato em si. O não poder explicar ,mas sentir as coisas como realmente
deveriam ser.Talvez a falta de abrigo,de um abraço,um sorriso,a fome!
Talvez! As dúvidas sempre em volta, tumultuando...
A sede de se  reinventar para o mundo, justificando meras e tolas
atitudes, que diárias, acabam sendo infantis  por estarem tão
equivocadas...sem profundidade! Talvez a falta temporária 
expressada em saudades,um patamar inatingível de sonhos...
É, talvez seja a oportunidade perdida que ultrapassa a 
a barreira do destino..."não tinha que ser!"Enganos!
Mas e os sonhos? Para onde foram? Teriam sido ameaçados 
pelos olhos do  futuro? Talvez os traumas se corrijam sozinhos,
um dia...Quiçá,um dia !
Os horrores da vida estagnados nas  lembranças,o Holocausto!
As sobras do amanhã...A escravidão por vaidades múltiplas!
O ódio feito esgoto,precisando desinfecção...Ganâncias apreciadas 
pelos subservientes...a ambição!
É , talvez caiba um coro de crianças cantando ,uma esperança.Talvez 
encontremos a perfeita razão,por elas!
Contudo, não sabemos qual   dimensão esse canto atingirá,mas é um
começo...Deveríamos ter novos começos em tudo,até nos avessos ,talvez
a saída para muitos discursos sem pé nem cabeça,onde os projetos do
progresso ,que já foram nossos,agora não mais...Acho que ainda podemos
forçar a tranca que sobre nós se levanta, talvez a  verdade seja mais que
audácia,seja liberdade,seja reconstrução!
Talvez ,quem sabe ainda há tempo de reinventar o amor...

sábado, 25 de abril de 2015

Dia do amor ou de amor?

Um brinde aos que se amam,aos que de fato
amam...
Nas ilusões contidas nos corações apaixonados,
há sempre uma porção de alegria e fantasia...
Com  o amor tudo pode,tudo renasce em luzes,
todas as coisas são importantes,mas o amor...ah,
só o amor é capaz de mobilizar os mais frios dos
sentimentos.No amor  nos sentimos vivos e somos
mais humanos ,até o que antes  do amor nos 
aborrecia,vira motivo de dedicação,de caridade,
vira uma explosão de entusiasmo...
Quando estamos apaixonados,suportamos os 
mais duros golpes que a  vida possa nos dar,não 
existem obstáculos...resolve-se facilmente qualquer
problema...Ah,o amor...um lindo sonho,uma linda
história...Sem nos esquecer de que no amor tem um 
pré-requisito,antes de amar e se apaixonar,´precisamos
transbordar  nossa alma em  aceitações,em verdades,em 
lealdades,precisamos nos encher de renúncias das quais
nem todos entendem...no amor,as  diferenças fazem  as
diferenças e se não houver um mínimo de perdão..."Adeus
amor ..."Amor verdadeiro é Divino,podemos sentir!
Não sabemos de que forma seremos atingidos por esse 
fantástico  elemento cósmico,mas,sabemos que é o mais
adorável vício que se pode ter na terra,a melhor mania e o 
maior  compêndio do ser...No dia do amor,amemos sim,todos
os dias ,é o segredo e a razão dos nossos dias!


quinta-feira, 23 de abril de 2015

Que pena...

Que  pena... qual é a pena? Qual nada!Tanto faz!
Somos reféns de um esquema...barca furada nos 
tornamos. Nós, a sociedade , que pagamos a pena,
pagamos o pato,e muito mais...
O que importa, é que no fim do ato,vamos sim,
sentir de fato.
Ainda de quebra, escutamos que fomos culpados.
Que "nós sociedade", marginais criamos..." Será?
Foi a  falta de educação dos pais, ou  abandonos!
Pode até  acontecer um lado isolado, mas a real,
é que de um modo geral, isso tudo  virou uma
questão desleal, desvios de verbas, obras não
concluídas,  ou formação moral não aprendida.
Consequências da própria vida? Simplesmente
abuso de uma geração mal resolvida? Ou seria de
uma população sem medida? Não! É pura corrupção!
A verdade é que temos espaços vazios, os valores estão
inversos e sem estruturas, sem água pura, ou mesmo,
uma vaga num hospital. Temos um Nordeste  sempre
esquecido, é um tumor que envergonha escondido, seco...
Um sistema educacional  falido... Quando tudo isso
será corrigido?Estamos num dilema!
Quem paga a pena?
E a pena de morte que aí já está?Quem haverá de
parar?...O crime acontecendo sem problemas, saem
pela porta da frente e ainda mostrando os bons
dentes...
As mulheres sendo humilhadas em estupros, mortas e 
desrespeitadas...o que será? Em tudo  um riso ou sarro,
desacato, com frieza . De quem  a culpa? O quê está errado?
Dizem...é a roupa que  elas têm usado!
E a dengue  se multiplica...ninguém faz nada, complica!
Sonhos de vida melhor? Haitianos em descaso, mas que pena,
o brasileiro  é quem paga a cena... Amazônia em extinção!
Nossa madeira, como sempre sendo levada pela corrente, num
rio  em mutação... Que pena, nosso país perdeu a visão! Estamos 
todos cegos...também estamos mudos...sem mobilidades  e sem
aparente solução...nem esquerda nem direita,mas, contramão!


Indiferença...

Penso que a indiferença, é olhar nos olhos vendo a dor 
nascida, e passar...
Que o indiferente sacia-se na sede alheia ,em meio à seca...
A indiferença caminha lado a lado com a necessidade,
mas permanece cega pela vaidade.
A indiferença rouba a própria oportunidade de fazer o 
bem...
Penso que  a indiferença é arma mortífera que extrai vidas 
a cada segundo,sem dó,calando-se junto  à violência...
Trágico egoísmo ,que ignora  as lições do Cristo, que se 
acomoda na maneira irresponsável de amar ao próximo.
Indiferença  é manter a hipocrisia, ao achar que não se tem 
nada com isso, que não há necessidades , que as mesmas , são pura
falta de fé ou vício da pobreza, causada por não se ter   amor próprio.
A indiferença não sente fome nem sede, nem mesmo frio,está fechada
para as tristezas  nuas...
Indiferença é querer ser feliz, o tempo todo, sem se importar com as
aflições das ruas, permanecer calado  para as ocorrências  no mundo...
Indiferença é falta de amor!

terça-feira, 21 de abril de 2015

Intensa...

Intensa como uma ventania expondo os poros em arrepios.
Intensa,intensa ,intensa!Como quem ao amor próprio 
dispensa...
Intensa para cavalgar entre sonhos de liberdades.Intensa,
na expressão do querer,na intenção de saber!
Intensa como o turbilhão de águas em alto mar...Intensa como
a ideia de Ser,como um prazer que se multiplica e invade.
Intensa como a brancura da neve,gélida como a morte...
Intensamente branda no perdão,na hipótese do ódio cruzar
caminhos e intensa em passividades ao compreender destinos.
Intensa,intensa e intensa no sentir,como quando se sente o 
buquê e o sabor de um vinho...Intensa,feito calor que passa em
ondas ,derramando suor.
Intensa como uma orquestra sendo deleitada aos  ouvidos,cuja 
mansidão integra almas ,acalmando delírios.
Intensa e indignada com o desapreço e discórdia,intensa também
quando já se envelheceu...
Intensa como bandeiras  desfraldando-se em paz,e por todos os 
cantos em que transborda quando se satisfaz...
Intensa força cósmica que surpreende a semente em momento de 
sono,mesmo entre a dor e o abandono...intensa como um lampejo 
de um cometa,como intensa é a voz do céu!
Intensa,tão intensa,que dissolve  o mais acomodado lamaçal, uma
intensidade terna que costumamos chamar de vida!

Vivi...

Há tempos me atrevi em  empolgante trajeto,mas,
supondo que no final teria novas e suaves paisagens,
porém,à cada passo tudo se repetiu. O mesmo Sol,
as estrelas do céu...a  mesma lua!
No chão, os mesmos rastros de outros que por ali 
passaram,num mesmo desejo...caminhar!
Já    faz  tempo, deixei para trás trilhas pedregosas,
íngremes,mas,sempre iguais...
A estrada que  vi, as repeti  por vezes...Não vi todas as
possíveis mudanças que ocorreram...eram silenciosas,
parecendo eternizarem-se no torpor,em cansaço e solidão.
Vivi,com certeza vivi!Cada passo e amplidão! Vivi repetidas
vezes e morri...morri carente e renasci de forma consciente.
Repeti os mesmos passos por saudades,por amor,e versos fiz!
Fiz do rumo trilhado uma espécie de ritual  de espera,atrelada
à pormenores, resquícios ... presenças perdidas e tidas como
amáveis...mas se foram com a própria vida!
Há tempos sobrevivi,percebendo em todas as horas minha sombra
acompanhada...Nem era solidão,era o desconhecido habitando em 
volta!
Nem era  morte,apenas,uma pequena viagem mostrando outras
paragens. Nem eram iguais todos os caminhos como acreditei,
tinham suas próprias linhas,seus rumos cheios de particularidades...

quinta-feira, 16 de abril de 2015

O amor...

O amor é como a flor, é perdão...
O perdão com dor, é sofreguidão.
Amor é pôr amor no coração.
Amor e dor não é amor, mas, paixão!
O amor sendo flor, não é "roxa"como  
está  no "ditado"...nasce  simplesmente!
O amor não tem cor, tem sentidos e 
sentimentos, às vezes tímidos e às
vezes, aparentemente isentos...São
calados,  também há os esquecidos,
com largas memórias de saudades.
No amor, mora de qualquer forma, 
nossa felicidade!

quarta-feira, 15 de abril de 2015

Riquezas...

Sobre a mesa, sempre livros! Ao menos quatro, e todos raros,
destacando -se à toalha de renda branca,velha e já remendada.
No ar,um cheiro de café coado na hora. Uma linda e 
delicada xícara com bule de porcelana, a mesma, já gasta 
na beirada dourada.Um pedaço  de bolo quentinho
no prato... 
As cadeiras quase feitas à mão, velhas, mas detalhadas em  traços
de verniz. Alguns porta-retratos já se desmanchando...família!
Na soleira da porta, uma figa, isso, só por causa de crença
antiga!
A costura dobrada sobre a máquina de pedal, as agulhas
espetadas numa almofadinha, linhas coloridas, o dedal...
O vento, de quando em vez, só brincando com as pontas 
dos tecidos sob a janela aberta.
No quintal,um canário cantando humildemente, escravizado
à cultura da época,não havia consciência para deixá-lo em 
liberdade.
Na cozinha,sobre a pia,uma garrafinha de azeite e ervas finas,
panelas ariadas em brilho intenso,vasos com plantinhas ...por
toda a casa, suavidades e cuidados sem fim.
Pendurado ao lado do fogão de orelhas, um pano, galo e galinha
pintados com  humor. No forno, o pudim de pão!
Lá fora, o jasmim plantado de propósito em arco, enfeitando o 
portão...
Haviam caixinhas embrulhadas sobre um móvel, uma a uma,
amarradas com fino cordão e na parede, uma santa de devoção!
O que tinha nas caixinhas? Ah, tinha mimos de mocidades, de
vaidades, guardadas ao longo da vida.Botões bonitos, uns brincos,
broches e  velhos berloques, medalhinhas, anéis sem tanto valor...
Na sala, sobre a cristaleira, uma estátua de singelo jornaleiro, tudo
era assim,muito doce, muito deles, muito meus, meus avós...meus 
costumes, parte das minhas referências, riquezas sem fim...vidas...

sábado, 4 de abril de 2015

Nossa flor...

A flor de lótus, desabrochou sob a grande estrela da noite
no oriente...
Espalhou perfume de singelo frasco...como gotas poderosas
surpreendendo o mundo. Feito semente, germinou e trouce luz.
Nos passos firmes, carregando a perfeita harmonia, surgiu...
O grande homem que dali nasceu, ensinou o amor e o perdão.
Caminhou suavemente pelo deserto em provação e por seus 
semelhantes  fez o sacrifício. Humilhado e crucificado nos
aliviou o fardo e o cansaço, ainda o faz!
A flor de lótus se transformou em jardins suspensos de amor
para nos pregar a  verdadeira paz!
O amor do Cristo nunca terá sido em vão,
Feliz Páscoa  aos que acreditam!

quarta-feira, 1 de abril de 2015

Suavidades...

Um breve susto,e num instante a porta se abriu.
O vento corajosamente ,enfrentando meus  inquietos
pensamentos,jogou-me os cabelos para trás,de forma 
quase angelical,como um presente, o seu amor foi 
trazendo...
Fechei meus olhos para recebê-lo,era tão suave ,tão 
bento...
Respirei fundo,pensando no firmamento,novos ares!
Em particular sensação,pude largar os sentimentos 
ansiosos,pude mover-me em calmaria...em um momento
de distração...Nossa!!!Na onda do silêncio,quase deixei
o amor cair ao chão!

segunda-feira, 30 de março de 2015

rudes...

Somos pontos  e somos  reticências... Somos 
termos casuais ou mesmo interjeições... Somos
as partes que integram uma história, um  verso,
ou privilégios  junto à multidão... e somos  o que
de mais fundamental podemos ser, a razão...
o porquê...ou, por quê? Porque somos eternos e
enigmáticos, porque simplesmente desejamos, não
estamos  expostos por acaso, mas estamos sempre
assentados  feito tijolos, misturados à poeira
das nossas provações.Todos estamos envoltos 
aos nossos sublimes ideais...somos mais... e
somos construções, somos puro prazer em ser...
Nossas convicções se estranham e às vezes 
tornam-se rudes, desmanchando-se em difícil
aceitação no frágil ego, nos desfazemos...
Somos o que somos, uma febril e entusiasmada
sina chamada vida, somos início, meio e fim.


domingo, 29 de março de 2015

Véu...

Estendes o teu  véu sobre  um leito de solidão
em  formosura ímpar...
Espalhas as tuas  lágrimas pelas alturas 
em suaves brilhos,num  som  ensurdecedor.
Teu véu,  rumo à cabeceira,se acomoda 
após torrentes de alegrias sem fim...depois 
adormeces num silêncio profundo ,de quem 
nunca houvera descansado.
Entre aromas de doçura e cheia de paz, se agita 
por uns instantes e de novo se  estendes para outra
queda,outro espetáculo  . Cachoeira, em quedas 
fostes criada para  carregar em teus  seios, a  Divina
expressão da liberdade,sois  a esperança da natureza,
nos mostrando em meio às pedras,a renovação...o teu 
caminho de leite a alimentar muitos ninhos.

Ao meu amor...

Fiz estas linhas para você,
você que por tanto tempo é,
por tanto tempo em que está
ao meu lado...
que é o meu campo de flores,
é o meu  amor -perfeito...
Você ,meu  cavalheiro  cheio 
de brandura,ternura e encanto.
Você ,que por tanto tempo está
embalando meu sono,quando me
abandono em teus braços...
Você é ,sim, o mais querido dos 
amores ,pois é real e puro,está onde
ninguém esteve antes,é o meu maior
aprendizado,quando tudo parecia
desmoronado,é você quem está aqui,
comigo,nesta viagem que um dia terá
fim,mas para buscar nova estrada na
eternidade...te amo!

quarta-feira, 18 de março de 2015

Não se cale...

Nem  sempre   nos comunicamos  pela vida,  da
melhor maneira. Geralmente  abraçamos o silêncio.
Às vezes, ficamos horas esperando e desejando de
algum modo, que nos chegue a inspiração,  a melhor 
palavra...Então, se iniciam  imensos questionamentos.
Não queremos  causar atritos, nem mesmo  a repetição
de coisas que já foram ditas, de coisas que já sofremos,
nos colocando do avesso, o que é só para nos nocautear
e  confundir...questionamentos de ideias mirabolantes, 
de  como salvar o mundo,  os órfãos e os animais...E quantas
vezes esses questionamentos nos levaram  a derramar
muitas lágrimas, por viajarmos em pensamentos  estranhos
à nossa  compreensão, ao nosso saber.
Nos comunicamos,  escrevemos, dizemos tudo e tanto,
que as aspirações de um mundo melhor acabam nos  dando
vontades plenas de ficar na introspecção, mas, sem
desistências... Nos comunicamos. Todos, sem exceção!
Fazemos alardes de um mundo sufocante e então gritamos,
nos levando à exaustão. Nos violamos, depois  nos partimos
em extremos e percebemos que poder falar,  mesmo que
em pequenos monólogos...O simples falar nos amplia a visão,
nos transporta ...e num fio de caligrafia  o amor se pronuncia,
podemos chamar de voz, interação, ou meio de comunicação.
O importante é dialogar  com ou sem volume, falar para 
que possamos explodir em  verdades e otimismos, num mundo
de tantas promessas  quebradas pelo egoísmo e pela solidão...

terça-feira, 17 de março de 2015

Ser modesto quando...

Quando a luta é desigual e  tudo em volta sugere  dúvida, e quando
pelos  sentimentos  de ciúme ou desdém,  nos atingirem.
Tomamos  medidas supostamente  arrogantes, somos confundidos
pelo que  um ou outro  julgue ser a verdade. Então,praticamente nos
obrigamos à certa defesa, daquilo que sempre acreditamos. Somos
levados a  contracenar com os adversários mais cruéis, os mais difíceis.
Somos obrigados a vestir armaduras,  para suportar as descargas de
ódios e intrigas...Como disse, luta desigual.
Invocamos atitudes,  que exemplificam  vitórias, conquistas e ânimos.
O vigor das palavras aparentemente ácidas, sugerem  pensamentos  e
reflexões,  extraídas  justamente dessa acidez, o que retrai  aos  que não 
pensam  semelhantemente. Arrogar, ou atribuir para nós, coisas criadas 
com  coração puro, significa que nos orgulhamos sim, de tentar algo que 
mexa, ou transforme pensamentos. Primeiramente em nós, nós que  somos
sempre os primeiros a visualizar as rotas da auto -crítica mais severa.Nós,
como o primeiro ato de  interiorizar as próprias dúvidas e aprendizados.
Humildade, não como falsa modéstia,  que quer representações e aparatos,
mas,  a virtude  de sermos humildes o suficiente  para nos reconhecermos 
incapazes, e percebendo as próprias fraquezas,  trabalharmos melhores cenas,
pois, a meu ver, esta vida é passageira e temos  que aproveitar  as paisagens 
do nosso mundo, e que ao  surgir das estrelas, possamos nos guiar na escuridão.



domingo, 15 de março de 2015

Flagelos ...

Entrecortando caminhos pelo  fascínio,
no excesso da loucura, fomos  seguindo...
Somando histórias,trazendo  a dor e a ira de
quem chora.
Na tortura, a insensatez, o medo...lágrimas puras!
A escuta, a força  bruta que transpassa
o peito com o fogo, que acelera como o efeito da
cicuta, a amargura... a triste luta, segredos!
Vemos  acervos escondidos em pó, guardados
de forma segura, sepultando corpos esquecidos
de  ultrajante bravura, e  o pó dos silenciados,
dos atormentados em figura. Veneno, doce mel
 e adoração,  sujeitos ao critério disfarçado e
honrado da temível ditadura... Com ou sem fardas,
deixaram sinistra lacuna.
As forças armadas representam a bagagem moral
de uma Nação. Não estão acima do bem e do mal,mas
fazem parte de uma estrutura onde a justiça e a razão
são criadas para  nos dar proteção na verdade e asas
por liberdade.

sexta-feira, 6 de março de 2015

O galo

No interior quando um galo canta,nos diz que já é hora,
nos diz que o sol rompeu a aurora e que as  brisas  foram 
transformadas em leve frescor! A noite foi-se embora...
O verde  inaugura nova paisagem resplandecendo em luzes.
A certeza da semente está estampada sobre a mesa,no café,
no pão...o trigo!
No interior  é assim, um festival de sabores,de alegrias há muito
já esquecidas, simplicidades... alimentos ,feitos de amor!
O fogão  não é um fogão qualquer, é um fogo preparado sem 
preguiça, é o trabalho do lenhador!
Quando o galo  canta é de felicidade pela vida ressurgida...e 
suas penas coloridas  pelo orvalho  são ativadas em brilhos
de sol ... Seu canto, diz que já é hora de mais trabalho...No campo 
é assim,suor do agricultor misturado ao cheiro do capim...é como
se vive no interior...Como se o tempo tivesse significado diferente ,
mostrando  de cada grão do milho, o seu valor.Como se a distância 
nos tornasse independentes...quando o galo canta, nem de longe  nos
lembramos do despertador, só ouvimos com ele a emoção, no toque
mais forte do coração!
No interior, não tem caipiras, tem gente hipnotizada pelas brasas
do carvão, acesas lá no fogão...Tem gente e perfume de rosas, ainda
em botão, feito as meninas faceiras com vestidos de algodão. Tem o
radinho de pilhas para inovar  informação... o porquinho  bem 
atrevido e a luz de lampião.No interior, tem de tudo,só não tem o
homem surdo para natureza em ação... e o dinheiro, coitados, só dá 
para o farelo do galo, que canta com gratidão!

Escolhas...

O que nos regenera, é sempre a fonte 
vinda da melhor escolha...vinda de 
uma segunda chance...
O que nos regenera, é a palavra refeita,
a paz  de uma noite bem dormida, a luz
que atravessa a  vidraça, compondo  um
novo espetáculo. O sol...dando-nos visão
menos atordoada, depois de um  mau 
momento, o perdão que se dá e se recebe...
O que nos regenera pela manhã, nos favorece
suporte para todo o dia, é a chance da melhor
escolha. É a noite bem dormida,  por saber-se
consciência plena do que é retidão e amor
pelos semelhantes...A melhor escolha nos 
regenera, quando a fé nos motiva o coração!
O que nos regenera  é o esquecimento do mal.

quarta-feira, 4 de março de 2015

A poesia...

Quando se fala em emoções, sentimentos... Todos nós, eu,
você , qualquer um que se disponha a fazer poesias e
escrever,  mas, isso tem que ser natural, vir de dentro...
Todos nós  temos maneiras diversas quando falamos e nos 
expressamos, conforme  o modo em que fomos educados.
A poesia gira por toda parte, vai mundo a fora, se expande...
Embora cada  poema traga  particularidades, marcas  e 
toques, que as identificam no tempo. Chega quase a ser corpo!
Somos a própria poesia ! Ao observarmos  as singelezas da
vida. Um pequeno riacho, uma nuvem no céu, um galho seco.
Até mesmo uma lágrima corrida, um sorriso. São convites 
para tornar um instante  eternizado. Em palavras e  embalos,
de romance ou luz... Somos luz! Todos nós precisamos  apreciar
a poesia , a arte...Somos pura arte, vindas do "Grande Arquiteto"!
Somos projetos especiais,  que se constroem sensíveis e arrojados,
mas, artisticamente moldados. Com o objetivo de aprender a fazer
e declamar  a própria vida, a própria realidade...Somos um grande
poema de Deus...

domingo, 1 de março de 2015

Direção...

Em nossas memórias ainda guardamos as duras imagens 
do horror, por destruições étnicas, editadas em revistas e 
jornais do mundo...
Guardamos amedrontados, sensações de energias,  vindas das
ações conjuntas,  derrubando  juventudes... e também, juventudes 
sem ética, usadas por idealismos ou sonhos sem escrúpulos.
Articulados, se digladiando no asfalto em vidros estilhaçados...
Pela história  foram marcados ...corpos, mutilações...silêncios.
Nervos, provocações e açoites por pouco,mas esse pouco, valia 
muitos R$0,20 centavos... E quantos refúgios literários, pelas 
noites...pelos becos!
Nossas memórias, mesmo curtas, não aceitam retrocessos, nem um 
só dedo de manifesto contrário à vida, nem mesmo o um triste aborto...
Evoluímos! Queremos paz, ao menos em maioria, educação e certezas!
Fato é, que nossa capacidade brasileira de esperar, nos traz receios do 
que virá. O ideal seria, se o Brasil livrasse da morte a juventude, abrigasse
a velhice em confortos, e carregasse no colo a infância com proteção e 
amor.
Nossas memórias guardadas, se fundem no hoje, mas somos melhores do que 
parecemos ser...só  queremos a nossa "Ordem e Progresso"...não precisamos da
Ditadura, mas de direção!

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Gaivotas

Nas gaivotas, vejo a liberdade se mostrando fiel, quando 
piso a areia do mar, com o sol a pairar no infinito... Num 
instante tornam-se cúmplices e  em bandos acompanham 
os ritmos da natureza!
Voam alto, vão ao longe...brancas! Se misturam  e entre 
nuvens se escondem!
Gaivotas trocam segredos do céu e do mar, são enfeites de 
paisagens  raras, das que o Criador nos presenteia, mostrando 
 esperanças  de que o espetáculo se repetirá ao entardecer.
Gaivotas são mensageiras da vida, estão sempre por perto a 
estimular o homem para novos horizontes, novos pensamentos...
Gaivotas  morrem livres... Mesmo as observando de perto,  
nossa alma continua aprisionada, mas ansiosa  pela mesma 
liberdade...

Iguais...

Somos iguais em tormentos, alegrias, dores...
Somos flores que desabrocham.
Somos defeitos e qualidades, temos fome e sede 
de existir...
Somos arrepios e ciúmes, somos sonhos e também
carregamos fardos.
No cansaço, à cada hora, algo em comum...
Somos gente, seres que se encontram, se dependem,
se  defendem...somos deuses, e demônios  somos... 
Somos iguais, e a grama do vizinho, só aparências,
nossos jardins também, nossos vasos e vazios...iguais.
Somos paixão e idolatria, mas, há séculos temos sempre 
a mesma sensação de milagre que nos absorve ou 
que nos devora, nos controla com o signo do medo.
Ambicionamos coisas que, de repente, nem merecemos,
mas queremos.
Somos iguais nas angústias da vida e também na morte,
porém, ela nos concede pequenas e diferentes regalias, nos
leva aos poucos, cada um na sua vez , na sua hora, iguais
e sem demora.
Somos iguais,  mas o Criador nos dá o DNA marcado, para 
nos tornarmos únicos  para nós mesmos...

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Os nossos...

Houve um tempo em que os nossos eram saudáveis, belos
e cheios de esperanças por quererem salvar o mundo ...
Nas praças e bosques, se  podia sentir o cheiro das flores, da
pipoca e algodão doce....as brincadeiras, o  sol  a aquecer e iluminar,
brilhando   entre os  cabelos soltos no vento!
Os nossos,ainda não conheciam as malícias da vida, o mal pensamento,
também, não  presenciavam de perto a realidade da violência na
morte... podia-se caminhar pela liberdade, embora restrita, doutrinada,
mas, liberdade...
Os nossos, de tanta beleza e formosura  por terem nascido aqui,
em berço esplêndido, despertaram  o ciúme nos dos outros, 
que hoje desfilam como cidadãos perfeitos do mundo... os 
cheios  de cultura...Os nossos? Ah, aos nossos foram apresentados
os vícios, as drogas...O cheiro das praças onde era o suave algodão
doce, hoje é de pedra queimada do crack, e as brincadeiras inocentes
foram substituídas pelas agressividades e inconsequências, impunidades...
Dizemos que o sol nasce para todos, mas aqui, os nossos sobrevivem 
nas sombras do esquecimento...
O berço ficou pequeno demais! Os nossos, nem mesmo cresceram e já o 
perderam para os mais novos. Esses também, não se tem certeza de que
conhecerão alguma praça com cheirinho de pipoca e o doce algodão.
Os nossos esperam o futuro, deitados em tempos de copa, enrolados à
nossa bandeira,   jogando sonhos pelo  chão!

domingo, 8 de fevereiro de 2015

Mexer...

Movimentar o fundo das águas estagnadas, faz com 
que sejam devolvidas as pequenas partículas de 
coisas desapercebidas, de sinais e distrações, que 
só podem ser  tocadas e repensadas,se forem vistas 
com olhos fixos nos reflexos,nas causas,nos fios 
de transparências que insistem em revelar conteúdos 
novos, dos quais  podem se perder para sempre e correr 
pelo ralo da indiferença , serem banalizadas...
Mexer o que está estagnado  é rever o fundo e o charco,
mas, é também, absorver tesouros de inquietações para 
o porvir...é  fazer novos começos, é saber que pode surgir
uma flor em meio ao pântano!

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Como queiram...é o livre- arbítrio !

Quando  paramos para pensar  nos caminhos da existência, percebemos o quanto ainda
precisamos evoluir, crescer...Em tempos presentes, temos verdadeiros achaques, saudosismos
pelas coisas que se foram , do tipo...anos 70 ou 80... Tá , foi legal, mas  passou! 
É tempo de olhar para a frente, o mundo mudou e ficamos por aí ... "No meu tempo era mais
tranquilo...eu podia andar à noite , sem medo .Estava todo mundo  preocupado   consigo 
mesmo e não havia ninguém dando opiniões, as preocupações eram de como criar os filhos
e trabalhar...
 Claro, não havia uma população enorme como agora , assim sendo,  podia-se ter uma
perspectiva, se podia até,  dar -se ao luxo de escolher o que ser quando crescêssemos...
Só que havia também, um real quadro, éramos mais  inocentes!  Dar opinião para quê ?
Já tinha  quem pensasse por nós,dava menos trabalho! Depois, ficamos dizendo: A culpa,
 é dos políticos do passado!  Mas, será?  Então, por quê nos dias de hoje deixamos que
tudo piore ou se repita?De quem é a culpa, se agora já não somos mais inocentes?Temos
até internet, ao menos uma boa parte . Quais instrumentos precisamos  mais, para mudar
e nos conscientizar? Isso,  consciência! Aí, quem sabe  as tais de redes sociais do futuro, se
transformem e absorvam seu real objetivo... socializar!

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Dia após dia...

Guerrear as batalhas dos dias é o mínimo do 
que se  pode fazer para tentar nos mantermos
em pé, mostrando nossa fortaleza...
Passamos muito tempo  armando a melhor das 
estratégias, para provarmos o quanto somos capazes.
Guerrear as batalhas dos dias  envolve disciplina, 
astúcia e discernimento,não temos a melhor bagagem!
Digo isto, pois  ela se chama coragem e de forma alguma
queremos amanhecer derrotados, temos que trazê-la conosco,
é uma necessidade intransferível.O destemor é uma arma que 
transpassa qualquer obstáculo, qualquer escuridão...
Guerrear as batalhas dos dias, subentende-se à audácia e à  fé!
São batalhas contra tudo o que habita em nós, tudo o que 
se esconde e nos desmoraliza, tudo o que nos faz perdermos a calma.
São as batalhas que nos sangram o orgulho, nos põe  na boca um
amargo  que se demora e nos transforma. São as batalhas do coração,
são só nossas, são as derrotas das intransigências  que  carregamos...
Guerrear as batalhas dos dias, com verdade, é guerrear com a 
bandeira da paz  subordinando todo o ódio, ao respeito próprio. 
Tendo em mãos,  um lírio do campo para lembrar que somos simples 
criaturas de Deus!

sábado, 24 de janeiro de 2015

Sampa...Feliz Aniversário!

São Paulo,Sampa, terra da garoa! No seu espaço,nas praças,
sempre muita gente boa...
Gente que vem, gente que vai, gente  rindo à toa!
Muitos que aqui chegam querem ficar, se apaixonam
de imediato. Aqui, vem também os que estão de passagem,
do mato, da praia, do serrado e  do interior.
Também vem o turista,  o artista... Aqui tem o bom humor,o
sabor, o café na Paulista, o leite e o  tintureiro!Tem também
queijo mineiro...o doce da confeitaria, o padeiro!
Aqui tem um cheiro que paira pelas manhãs...é o cheiro do
do pãozinho francês, o pastel do japonês, a carne- louca,
e o cheiro da pasta de hortelã, logo cedo, na condução e
em tantas bocas! Tem o sabor da romã...o skatista...o Copam!
Sampa do sambódromo, dos teatros e dos Shows! O Ibirapuera,
o autódromo,  lembrando o Sena...e a grande correria do sábado,
a vedete   feijoada ,sempre  cheirosa  e bem acompanhada 
pela caipirinha danada!...O tutu de feijão, a mandioca frita!
Rádios sintonizadas, a moda,os Shoppings, a pizza, os helicópteros 
e carros de luxo, a faculdade de direito e o metrô, os taxistas...
Lembramos do marcadão! O lanche de mortadela, o prato feito!
Sem esquecer das vitrines,dos jardins com rosas amarelas...
É pura gastronomia! É  a feira livre! É a boemia...é a saudade!
Ah,como amo esta cidade!Seus prédios e seu progresso!
Aqui, ainda há sucesso para quem gosta de estudar....
São Paulo querida terra, que tentam desconjuntar! Mas,
és forte, és bela e glamourosa! Estará sempre à frente das 
gentes que são famosas!No socorro, na cultura e na prosa!
Uma mistura de temperos, do Norte ao Sul, brasileiros!!!
Sampa, te amamos de verdade!Suporte a crise das águas,
sufoque logo essas mágoas,das chuvas pelas enchentes,
receba de nós o abraço pelos anos que tem  pela frente!

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Ninguém...será?

Ninguém pratica o que diz, mas tenta, ou 
pensa que o faz....
Ninguém pratica a verdade, pois, ela dói 
demais!
Ninguém pratica a suportação das dores, 
porque  às vezes, as dores são cruéis e nos 
jogam na escuridão...
Ninguém pratica a tolerância, ela exige sempre 
humildade a mais...
Ninguém se reveste de sinceridade, pois o 
medo da traição é presente, é forte!
Ninguém se abre em abraços, pelo temor de  
serem roubados em seus passos...Ninguém pratica 
a real amizade, por não ter o poder da 
transparência  e por ter a flecha da 
desconfiança...
Ninguém pratica a profundidade dos bons 
pensamentos, por  habitar na desesperança.
Ninguém  que caminhe sobre a Terra se opõe 
à guerra, porque em si, carrega a falta 
de coragem.  O medo da morte nos deixa surdos.
Ninguém pratica o amor, ou caridade, só para não 
sentir-se fraco, entregue ao mundo dos sentimentos  
nobres, pois acreditamos que somos  pobres...vazios.
Pobres de espírito! Desprovidos para a grande 
viagem da paz. Ninguém ousa praticar mais vida...
Talvez, estejamos praticando pequenos ensaios...
e isso, exige responsabilidades demais!

domingo, 18 de janeiro de 2015

O Infinito mora em nós...

Por muito tempo,com o nó preso à garganta ,
me inclinei à obediência,me fiz fortaleza e fé.
Percorri estágios de aprendizados e enganos,
e quando não me enganei,simplesmente errei.
Sofri, como muitos sofrem...suportei os meus 
próprios infernos e busquei um outro céu,
daquele  que me incluiria, mesmo quando as 
faces das trevas me revelassem falhas... e  assim 
me  coloquei, em suave despertar,nesse céu tão 
belo e sem hostilidades,cheio dos clarões, de um
futuro a explorar outros encantos...me enterneci,
me vi ausente de tantas causas infrutíferas,que me
surpreendi ao notar quão poderoso é o infinito que
mora em nós,que reaviva por si só,sem que precisemos 
rastejar na grande fome e sede do existir...aprendi os
caminhos dos raios do sol que iluminam quando de 
alguma forma nos perdemos...
É preciso coragem,para o novo,para desatar o nó preso 
à garganta...

sábado, 3 de janeiro de 2015

O inesperado...

O inesperado chega, surpreende e  dificulta.
O inesperado faz o chão sair dos passos, faz 
o medo, o êxtase...
No inesperado  tudo pode, tudo é simples 
questão de momento...simplesmente fato!
O inesperado é às vezes cruel e  enigmático...
É  também  assustador e te pega de 
jeito num piscar de olhos!
Num ato descontrolado, numa injúria sem causa ,numa
rebeldia, numa tempestade, uma avalanche ...até 
mesmo uma enchente, um incidente!
No inesperado tudo pode! A surpresa está justamente 
no que não se vê, não se espera...Não se espera ver uma
estrela cadente, ela cai de repente!
O inesperado  acontece sem uma lógica aparente,
mas  assim, como  parte dos Mistérios de Deus. Na morte,
sem a certeza de um retorno, na saudade que não combinamos,
no adeus de quem se vai para sempre... inesperadamente!