sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

Nossa dor...

Somos almas aflitas e peregrinas. Somos gritos 
buscando o bálsamo, ou qualquer razão que 
exprima nossa dor...
Somos estrelas vibrantes e carentes de mais luz!
Somos eternos apaixonados por nossas próprias 
ações.
Somos soberanos pelo livre-arbítrio e também pelo 
ego em alto grau...
Somos o auge de nossas montanhas acumuladas de 
enganos, de velhos passos e de antigas jornadas...
Somos eternos apaixonados pelas histórias deste e 
de outros planos.
Somos injúrias e decadências, somos demências ou
felizes insanos, pois somos a hipocrisia guardada a 
sete chaves, como um tesouro intocável, mas que ao 
movimento de singelo confronto interno, nos derrubamos 
e nos açoitamos como corvos a destruírem carcaças.
Nos desdobramos em teorias e máximas, nos desnudamos 
em pureza e o profano...
Somos o que a natureza  fiel nos idealizou...do pó viemos, 
erguidos do barro, ao pó voltamos...
Somos o que somos e nada mudou nesses milhares de anos, 
apenas o nosso escutar e enxergar se transformou no ouvir 
e ver, no estar e ser...
Somos um grande eco  e o mundo que não queremos mais ter!
Já sofremos o dano!  Somos apenas almas querendo viver...

domingo, 21 de dezembro de 2014

Encantos...

Quando olho o horizonte pela minha varanda
encantada, sim, encantada pelos raios de sol e 
pelo aroma das flores...Fico a pensar ,o quanto 
a bondade de Deus ainda está presente,  mesmo 
se a gente não sente, está ali, em qualquer cantinho. 
Vejo  aqui e ali! Há animais e aves , o  verde...
as abelhas , e tanto mais  que nos acomodam aos olhos...
Sinto a voz sussurrante do vento, a trazer sinais das 
chuvas, ouço o canto dos sabiás...Me perco em sorrisos, 
misturando- me às borboletas  que namoram em pleno
ar! Nas folhas, sinto o cheiro do renovo, uma semente virá!
Quando olho o encanto do sol  no horizonte, na benção 
de minha varanda, fico  encantada, tentando congelar
o meu tempo em cada segundo, e agradecendo ao Criador...
Sei porém, que tudo aqui são empréstimos de Deus, tudo a 
nos ensinar valores reais, coisas que não têm preços.São as 
dádivas celestiais!
Já vivi sob telhados pequenos, mais singelos! Não haviam 
varandas encantadas, mas também,  podia -se ver o mesmo 
horizonte, encantado pelo mesmo sol. E  casas,cujas beiradas
das telhas, pingavam cristais na chegada das águas...
E quando minha janela sorria, pelo anúncio do verão,  eu
na minha simples visão de infinito  também achava  tudo ali, tão 
bonito! Até uma perdida joaninha, sob a margarida, num vaso
de canto na porta...Um pardal pendurado no fio de luz...
Até mesmo uma mariposa, sendo bruxa ou não, servia de 
imaginação, uma azedinha  crescendo na calçada, tão escondida
a coitada, com medo de algum pisão...Ah,e a lua na escuridão!
Quando olho e relembro, encantos que já se vão, tenho novos 
efeitos de imaginação...
Felicidade é viagem, feita ao relento ou não. Em nossa vida,
o que importa  é de que jeito olhamos os céus, ou se nos 
perdemos no chão. Felicidade  é algo mais, felicidade é a gente 
que faz!

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Permanência

Adaptações e entusiasmos, nos constroem 
dia a dia.
Somos feitos de resistentes vértebras, que 
auxiliadoras nos sustentam, nos põem de pé!
Vértebras calcificadas no conforto do amor 
fraterno, que nos impulsionam sempre...No 
abraço verdadeiro, o carinho...
Somos acolhidos com âncoras suaves, que 
pelo respeito, nos permite o freio sem dor, 
mas com segurança e conselhos...
A permanência que eleva nos dá estadias de 
paz, nos faz  donos momentâneos de amizades 
sinceras  pelo riso franco, por olhares munidos 
de cumplicidades...
Consolidamos a estrutura de nossas almas, à 
medida em que conseguirmos realizar a 
manutenção saudável da convivência...
O revés e os obstáculos, são sempre ajustes para 
reflexões mais severas sobre nós mesmos.
Na preservação do amor conquistamos maior
permanência dentro dos corações que nos amam.

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Me fazem saudades...

Me fazem viajar e sonhar, todas as vezes 
em que fecho os olhos na calmaria das 
tardes...
Me fazem rever ideias e equivocados 
pensamentos...
Me fazem ressurgir em súbito pranto, todas 
as vezes em que sinto saudades...
Das horas em que sorrindo, me apontavam 
algum engano.
Me fazem lembranças festivas, alegrias de 
momentos, em que apenas um olhar  provocava 
sensações de segura proteção...
Me fazem rir também, e esse riso é por dentro,
vem da alma...por todas as vezes em que pude 
ouvir sábias vozes , naturais de quem nos quer
bem, ensinando os segredos  da vida, de como 
funcionava  cada novidade do tempo, até mesmo, 
de como a dor pode ser passageira...
Obrigada!


                           Aos meus avós!

Aprendendo...

Aprender a superar as quedas, as injúrias, 
nas vezes em que  acreditou no bem e se 
aborreceu. Superar o ódio , as angústias, 
dar sorrisos de simpatia e paz...Ter a boa 
índole trazida da infância, sem acrescer um 
só obstáculo que possa ser chamado de falso 
ou  fruto da  ingratidão...Ter mansidão!
Ter o respeito pelo próximo, não por mando, 
mas por saber que somos todos  filhos de um 
mesmo Deus,e, para os que são ateus, pensar 
no quanto sofrem, por terem perdido a fé...
Buscar no olhar  distante de um velhinho, a 
experiência, a sabedoria que carregam no 
íntimo, tirá- lo da solidão e do abandono!
Saber conquistar a paz no perdão, sem se 
passar por tolo...perceber a fome e a sede do 
outro,  sem que precise pedir um pão, ou água,
um agasalho...
Aprender a amar os animais, como nossos irmãos 
em evolução!
Praticar a verdade e ter piedade dos que erram...
sabendo que somos falhos também.
Não nos esquecendo de que os atormentados no mal
são necessitados do médico chamado Jesus...Ter a 
gratidão por tudo e por todos ...
Aí sim, podemos nos sentir humanos verdadeiramente,
podemos nos sentar à ceia com a família, na noite de
Natal! Aí sim,podemos dizer eu te amo e ter a certeza 
de que ,algo a mais, aprendemos neste ano...
Feliz Natal, para nós todos!!!!

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Progresso

Nem mesmo o tempo é capaz de fazer 
calar a voz...nem silenciar os sonhos.
Não  é capaz de renunciar as verdades 
já conquistadas, ou as promessas feitas 
em segredo, murmuradas baixinho só 
para  si,  em meio à multidão.
Nem mesmo uma marcha ,em função de suposto 
progresso, será capaz de anunciar ilusões
novamente...
As chances de tornarem-se reais as propostas
entusiasmadas em momentos de vaidades, são 
ínfimas, são inviáveis...Até mesmo impossíveis!
As desconfianças geradas, os túmulos revolvidos 
em desrespeito à ordem das coisas, as reformas 
sem nexos, sem proveito, somente para mostrar  
as regras arbitrárias, os requisitos ignorados, os 
desprestígios à cultura consolidada, os grandes 
esforços banalizados. Nada que pareça oportuno,
será capaz de modificar o desconforto de uma 
Nação,cuja amabilidade foi substituída pelo 
preconceito, que antes, já era de difícil  compreensão,
agora muito mais...Sem contar as vertigens causadas 
pelas injustiças e pela Justiça abalada pelo peso de 
seus próprios martelos...


sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Brisas se espalham...

Quando rompe a aurora,  as brisas se espalham 
feito suave toque de amor, dando lugar ao brilho, 
ao frescor,  que orvalhado  se derrama sobre  as 
folhas. Num espelho ímpar, gotejam umas sobre 
as outras, fazendo linda festa de cores, passeando 
entre as flores...
Quando a aurora nasce, é como se todos os dias
nascesse uma nova esperança, daquelas  em que
muitas vezes sonhamos quando crianças, quando 
ainda carregávamos o cheiro do perfume maternal,
o  ávido sentimento de descobertas... daqueles em 
que, de tempos em tempos,desejamos permanecer no 
passado,  por um  instante apenas, para lembrarmos 
onde deixamos nossa inocência, nossas fantasias de 
heróis  que nada temem,e, de pureza quando achávamos
que só um sopro bastava e todas as dores sumiam...
Quando a aurora nasce... às vezes, corre  uma lágrima de
saudade...