sábado, 22 de julho de 2017

CRISÁLIDAS...

    Crisálidas...



As muitas capacidades que possuímos são construídas em nossos arquivos do passado.
Para o Pai Criador, que nos ama profundamente,
somos a razão de existirmos e reinarmos nesse
planeta...somos o que somos, por não termos por
onde nos guiar diante das nossas equivocadas
passagens.Vida após vida...caminhamos rumo à
evolução, mas nos descuidamos por acreditar que
seremos sempre amparados ao colo do Nosso Criador.
Assim será, mas temos que evoluir... aprender a amar,
a trabalhar pelo nosso progresso moral, e espiritual.
Moral e espiritual, por ser o remédio dos nossos males.
Nos transformamos a cada segundo e estamos
o tempo todo com a ambição estampada em nossos sentimentos.Queremos emergir a qualquer
preço, não nos importamos se estamos passando por
sobre outras cabeças, esmagando sonhos e
sufocando vidas...
Mas o quê pode o homem sem se jogar para aquilo em que
acredita, sem trabalhar seus sonhos?
Sem se fortalecer em fé?
Não digo apenas a fé religiosa,mas a fé em si mesmos...Todos nós ambicionamos algo! Temos desejos de realizações, não importa em qual área, mas as queremos  concretizadas ...
Os heróis que conhecemos de perto, foram os nossos pais ou nossos avós.Eles nos passaram o que melhor aprenderam, com certeza não nos ensinaram a pisar sobre vidas alheias para conseguirmos o que queremos. Muitos de nós já tivemos a sorte de frequentar escolas,de aprender algo que nos tenha deixado felizes,porém,não é parando no meio do caminho que iremos descobrir se realmente estamos alcançando nossos objetivos. Provavelmente num  futuro próximo vamos nos orgulhar ou sermos motivos de orgulho para alguém que amamos,mas somente se chegarmos ao destino que planejamos como sucesso.
Somos responsabilizados pelos passos que damos por nossa conta e risco,então sermos cuidadosos para com  tudo que se apresenta à nossa frente,já será uma demonstração de que temos foco,de que estamos centrados, e diga-se de passagem,  acaso os melhores exemplos da humanidade surgiram por mágica? Certamente suaram,choraram muito,estudaram,passaram noites e noites em claro,abdicaram de seus amores,de suas famílias, tudo pela realização e evolução  deste mundo... Ao menos  por tudo que temos como exemplo,embora nem todos nós os seguimos,sabemos que houve um princípio básico,uma estrutura.
E quem eram eles antes de nós? o que pensavam sobre o futuro que hora habitamos de forma até ingrata,pois não damos continuidade a quase nada,Estamos adormecidos num casulo, isso mesmo,num casulo colocamos nossas desculpas esfarrapadas, atordoados por um sono quase que eterno, o que é bem uma sorte ,para os que creem na eternidade,saberão que acordar é uma questão de desejar agir, de abrir os olhos  e trabalhar por si e pelos outros, que permanecem dormindo, sem observar que chega um momento em que o casulo fica pequeno,descama-se num trágico pesadelo, e é preciso afastar as ilusões...então aprendem que todos nós, individualmente, assumiremos nosso lugar na vida,nessa eterna vida que permite sejamos ainda,lindas borboletas, que se livrarão das crisálidas abençoadas,mas, praticamente já inútil aos  desejos de sucesso que tantas vezes buscamos.

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Para sempre...

Sempre haverá a saudade, e no peito, o aperto, e a vontade de chorar. Sempre haverá um resto de amor escondido,uma ira a mais, por traição, ou lágrimas de dor...
Sempre haverá curiosidades vencidas, e juntamente com as desistências, as decepções sentidas...
O ódio, sempre abrirá aprendizado ao perdão, e sempre estaremos afoitos,
por melhores dias...
Sempre teremos saudades do que se foi, porque somos arrependidos natos.Queremos ter um futuro, mas 
foge-nos a vontade, por estarmos aprisionados, ancorados no passado.
Sempre haverá saudade e pesar pelo que não fizemos, ou  o que não entendemos,afinal,sempre nos absolvemos dos erros, e os primeiros a serem perdoados somos nós, por nós mesmos...e sempre haverá quem nos dê a mão, pois não estamos sós.Assim, poderemos nos segurar nas desculpas, fragilizando  a outros
em redor...Sempre haverá filosofia 
barata, e também, as  estatísticas de pesquisas falsas, afastando todo o
respeito... Quanto aos inimigos declarados dos nossos caminhos? Sempre existirão, e num" prato que se come frio", sempre
iremos buscar na vingança a trilha de volta, por  onde começamos, Sofreremos
com  remorsos, depois nos curamos...
O sempre, ali estará para sempre, e sempre,até que possamos mudar a palavra para o" nunca mais..." ou,"finalmente!", e seremos nós, os mesmos de sempre...

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Sempre sorrindo...

Enquanto houver na terra o bem,
sorrirei!
Enquanto o amor reinar, e a vida
mostrar perdão, sorrirei...
Enquanto o amanhecer correr 
derramando raios de sol sobre o mar, terei gratidão,  e sorrirei...
Enquanto houver uma flor, um
doce amor, uma verdade a se 
estender sobre a injustiça eu
sorrirei...
Sorrirei todas as vezes em que
puder ver uma estrela brilhar... Sorrirei sempre!
Até para mim,
justificando minha existência...
Enquanto o sonho de paz for
liberdade, sorrirei, favorecendo
esperanças...
Sim, sorrirei pelos que já não
riem com frequência, pois estão
tristes,mas, será o meu riso
de alegria, para ver renascer-lhes
chamas ardentes no olhar, como
reconhecimento da vida...
Sim, sorrirei para mostrar que
é possível existir, apesar dos
rumores de rejeições e prepotências
ao redor, e farei melhor...
Sorrirei diante das duras decepções, que me ajudarão a aprender caminhos para conhecer
a  humildade.

Poemas...

Que a sensibilidade recolha
os versos lançados ao vento,
sejam eles de alegrias ou de
saudades...
Os versos são caminhos que 
se renovam, são mutações do
equilíbrio, são sensações de
prazer e felicidade. Nada tão 
distante do que é próprio do 
ser humano, mas, que exige o
profundo sentir e um meditar
constante...
Os versos são inspirações que
manifestam paz e aconchego...
Que a sensível escolha das 
emoções, sejam capazes de fazer 
surgir em nós, todos os pontos
de luz que necessitamos para 
trazer o infinito, para bordar na
nossa transparência, a melhor
substancia, a delicada e real
essência...
Que a sensibilidade seja a chave 
para abrir as portas do coração.

domingo, 2 de julho de 2017

Afirmações...

Sim! Sei da beleza de ter juventude,
embora, no tempo, nossa imagem
mude sem nos pedir licença...
Sei ser ternura,quando a capacidade
de negociar amor é só o perdão.
Sei sofrer em silêncio, quando a dor
se faz necessária e  quando rudes são os
caminhos a percorrer...
Sei também voltar atrás, ao errar nos passos.
Sim, aprendi as manobras do existir, apaziguando tormentas, que não eram minhas , mas, de outros...
Sim, sei ter a beleza infantil nos meus risos, e sei das alegrias ao
ver  um campo de flores,ao ouvir os sinos de uma igrejinha nas manhãs
de domingo, e o som do tilintar de
copos de vinho, saudando a felicidade que há de vir...
Sei também que simplicidade  é a 
melhor roupa para nos vestir, e que,
o que aquece nosso frio constante, nos desejos de viver intensamente,
é o sol, é a luz que agitamos pela
caridade, sendo solidários e positivos no dia a dia!
Sei, e você que lê também sabe! É questão de fé, é coração afinado e
focado no amor, é gratidão!

Teu voo...

Acariciado está teu peito,ao vento, junto aos
galhos e folhas perfumadas das manhãs...
Recebes os primeiros indícios de luz do Sol.
Recebes e cantas grato, és pássaro em voo
livre! Tuas asas registram o tempo, as lindas
imagens, as colinas...
Na imensidão do infinito, superas as violações
dos homens, que degeneram as sementes que 
são teu alimento e o próprio pão...
Nas altas moradas, juntos aos  rios e flores vais
transpondo trajetórias,  anunciando a paz, o 
bom clima, o verão, assim são as andorinhas...
Nos doces pomares deixam seus ninhos e alegrias,
e nos encantam, assim são os canarinhos, os 
pardais, e  os beija-flores,que dançam em colorido
tom...Mas, na obscuridade egoísta, teu canto dorme!
Aquecido e sôfrego está seu peito, que busca o ar 
entre tremores...Agora, não pelo aconchego do
Criador, mas pela ganância, já não voa, morre!
Está entregue à destruição pelas queimadas dos
balões e a infeliz escolha do contrabando.

sábado, 1 de julho de 2017

Há esperanças...

Em pequenos braços, se abrem!
Brotos verdes, delgados!
Como se houvessem pulmões 
respirando  perfumes. Elevam os
olhos ao céu, e o sol se espalha em
profunda paz...Um grande arco-íris
se faz!
É um jardim que se apega à vida, com
folha e raiz.
É um poema, que acena...
Seja feliz!!!
É um botão que germinou, uma flor que
desabrochou, é um canto no chafariz...
É a representação do amor, todos os dias.
É um coração que se irradia!
É um jardim?
Não! São muitos jardins! São muitas flores!
Muitas íris, acolhendo e contemplando cores!
Muitos querubins a proteger amores, e muitas
vozes a gritar bem alto, queremos também 
plantar!!!

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Anjos caídos...

Um dia, tudo era luz e sublimidade!
Mas o orgulho e  a inveja se tornou 
dura maldade. Virou ira, a paz 
que havia, muito antes de termos 
nascido. Por liderança e vaidade,
de repente, o amor era pó, e há muito
foi escondido.
Com tanto orgulho expressado, houve
grande julgamento...
Mentes brilhantes de outrora, a perfeição
jogou fora, e tudo foi esquecido.
Limitados no firmamento, em busca de 
redenção, travaram nova conduta, para
uma nova missão...
Evoluir nosso planeta, que rude,  serviu-lhes
de abrigo.
Inteligências espalhadas, que hoje, só restam
vestígios.
Com perdão e sinceridade, a pura realidade!
Do orgulho até a humildade, é a história 
destes banidos...Pelo Criador foram punidos,
venceram o orgulho ferido, e no amor, ficaram
remidos, pois, já retornaram aos céus, os anjos,
então, decaídos!

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Circo?

Já não há, nem razões, nem ódios ou porquês...
Já se foi o tempo, já pudemos gritar e rir, ou
chorar por tudo então...Foi quando nos 
transformamos em tristes palhaços. O picadeiro
se despedaça velozmente, fazendo surgir venenosas
serpentes...Cadê a paz?
Chega! Ouço vozes amedrontadas, magoadas e
inconformadas!
Estamos nos sentindo indigentes, abandonados...
Cabisbaixos feito zumbis, incoerentes, sem paixão!
Parece até, que o vinho que não bebemos, nos 
embriaga lentamente...Só pelo bafo dos que nos enojam,
só pela causa em que se atropelam e se defendem...
Inocentes!
Estamos entorpecidos pelo buquê de falácias e intrigas,
varridas para baixo de um tapete.
Vamos assistindo ao espetáculo,para escolher o que já
não se esconde e nem se entende...
Sistema falho! Justiça cega e rota! Em retalhos vamos
vendo  a lona se rasgando.É a arena do poder, diante de
uma platéia muda!
O que nos resta? Enaltecer?
Queremos ver nosso país  renascer pelo amor, sem dor...
sem dor...sem dor...

sexta-feira, 3 de março de 2017

Uma outra ação...

Em toda mácula de passado se 
abala um ser profundo, que 
adormece em laços de sentimentos,
aos quais se assegura no tempo.
Certo de que o sono trará paz e 
esquecimento...se acomoda!
Desamarrar esses laços, é dar 
liberdade à poeira de vida que 
ali fica, impregnada,estagnada...
É dar a luz às meninas dos olhos,
outrora cegas e chorosas. Dar luz,
enchendo-as de esperanças!
É assim que se estanca o sangue,
que em lágrima de dor, se fez em
mágoas e desamor...
É assim que se extirpa o espinho 
das decepções... Depois, como amar o
perdão e eliminar erros sem a correção?
Como viver sem as dilatações e mudanças
que nos agitam, sem nos contaminarmos  
da violência  que nos revela o "ser" animal?
Extinguir em nós, qualquer fera, é limpar 
toda a poeira de vida, acumulada no rancor.

Viajantes...

Aqui estamos! Viajantes pela
eternidade...  Vasculhando os 
cantos das nossas almas, de 
forma vigilante, só para não
termos que sentir os espasmos
das emoções exageradas...
Nos acostumamos com essas
sensações, quando as horas
nos espremem contra o tempo.
Aqui, estamos soerguidos a cada
queda e a cada pranto!
Aqui estamos! Viajando pela 
eternidade... Aguardando um futuro
mais belo, sem sermos ingratos, pois
aqui também, muitas vezes é céu...
Aqui estamos! Em realidades ímpares!
Partiremos, quem sabe um dia, para
nunca mais, ou seremos para sempre,
sentimentos de saudades... mas seremos 
os mesmos,  em constantes trabalhos de
aprimoramento e viagens sem fim...

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Tempos de amor...

A sublimidade não se vê, é o que se 
sente, é o que se cala num olhar, é
o que ouvimos sem crítica imediata...
É o que  se sela, com os lábios em
doce beijo.
É toque  fraterno  num abraço que
justifique a paz, e não desejo...
Ao elevarmos os pensamentos, nos
iluminamos por dentro.
Alteramos todas as cores e todos
os  matizes ao vento!
Cheios de amor, nos submetemos à 
natureza  Divina!
Nos postamos humildes aos requisitos
do coração.
Em tempos de amor, suaves são nossos 
passos e leves as nossas palavras.
Em tempo de amor, verdadeiro é o perdão,
e curativa é a nossa melhor ação!
A sublimidade sentida, é a voz  de amor 
reconhecida, espalhando luz em nossa vida,
ensinando a mansidão!

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Escassez

Nem que  toquem trombetas nos céus, ou
que um dilúvio se agite, mesmo que um
vulcão, com estrondo se aviste!
Não importa qual o drama, nem mesmo o 
silício da lama,
A dor e o sofrimento, nunca estão num
comício...é triste!
Estão nas entranhas dos pobres, e nos seus
ossos doentes,  na falta dos dentes, na fome
e  na ignorância, estão...
Estão nas angústias das gentes, que clamam
manutenção. Não há sobre a mesa comida,
nem fogo, nem água ou pão...
Dos farelos, comem com os bichos, abandonados
no sertão...
A escassez, não está lá no comício, há muito foi 
esquecida, atirada em precipício, e nunca mais 
será vista...
E o que dizer das águas, que não jorram do 
São Francisco...Nem por milagre  saem das pedras,
muito menos de orifícios! Pela seca  são
levadas no vapor, entre a febre e o calor...
Como levadas  também, muita gente inocente! Com
deboches e sorrisos, acreditando em presentes...
Contrariam a fé viva, entoando lindos hinos!
Como se fossem eternamente meninos, e como se fossem
felizes...
A escassez é tirania, insensatez e deslize,é a ganância firmada,
consolidando revides!



O que fica...

Do que permanece em nós, há um sentido de 
insistência ou teimosia...
É esforço de vida, e  também, zona de conforto!
É  paz dos não volúveis, dos que não traem...
Ao contrário, se embriagam de serenidades em
luzes...como permanentes são os dias e as noites...
O que é permanente, fica, se expõe, se impõe e 
não complica, simplesmente é!
Como permanentes se tornam os nossos sorrisos, 
após crescermos...e também a aceitação...
Certos de que eliminamos os medos,  aprendemos,
que, o que é permanente de fato, é o que é eterno.
O que é permanente, ao menos, enquanto possa durar, 
é a sólida existência, feito rochas nunca exploradas,mas, 
ali estão, em silêncio, soberanas...
Em nós, o que é aparentemente fixo, está sujeito às
leis naturais, se transformam, se multiplicam, se revolvem.
Mas,  tratando-se  de sentimentos, estes, permanecem por 
dentro, longe da cobiça, são valores próprios...como 
galhos em meio a tempestades, que dobram-se humildemente
ao vento. Com reverência e fé, doam folhagens, e se entregam 
ao firmamento aguardando no tempo  o seu renovo.

Um pássaro...

Como criança  me visto em sorrisos,
vendo um pássaro fazendo seu  ninho...
Parece que o tempo me empresta
toda o seu canto, iluminando
meu céu, e também o meu caminho...
Nas manhãs, quentes ou frias, em plumas
se arrepia, livre, fazendo arruaças!
Voa, passeando entre galhos sob as
flores e telhados, vai fazendo graça...
Parece brincar, só para chamar a atenção,
como se de algum modo, adivinhasse, a
tristeza que guardo no coração.
Mas, não dura muito o meu pesar, pois, ele
brinca, bica, canta e voa, e eu, como boba,
rio à toa, e sem perceber de repente, estou 
também a cantar!

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Obrigada!

Obrigada por visitar este blog, receba luz em seu coração!

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Deslumbre

Como o ferro, exposto ao tempo,que em
ferrugem sucumbe...
Sem proteção é a flor, que seu  jardineiro precisa
desvelar cuidados,  para ver o seu deslumbre.
A plantação sem apreço, é paisagem ausente,
é semente que não brotará, tornando-se poça,
a inundar em cada chuva que chegar!
Deslumbrantes são as flores, que  como ventos
de amores,  multiplicam-se pelas mãos do seu 
guardião, brilhando em cores, sob o sol, nos
campos...Mas...
deslumbre real, que vem  do perfume das rosas, que
tão preciosas, desfilam entre  as brisas, do amor
matinal!

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Quero o Sol e a Lua...

Quero o Sol, em dias tristes, que ele
me conforte...
Eu quero também a Lua, que em mim
existe!
Que sejam bálsamos, acalmando 
euforias...  Que se produza, por ambos,
a vida e as flores do jardim,  que com sorte,
ainda resiste!
Quero o Sol e a Lua, acompanhados de
estrelas de ternura, para deslumbre de
paisagens, onde o vento possa soprar 
o cheiro doce do mel, como unguento, 
para a dor que insiste...e sejam suportes...
Quero o Sol e também a Lua, avistadas
no firmamento, para me lembrar da 
brandura,  e da luz  no  pensamento...
Afastar os pesadelos,  trazendo sonhos, e
não lamentos...
Quero a Lua, e também o Céu  que existe
na nossa paz, guardada nos 
passeios lembrados em nós...e o Sol,
que de mim não desiste, pois creio, é
o Sol...é a esperança, é farol!
Quero a Lua e o Sol a todo momento,
para ampliar sentimentos, e no amor,
levar crescimento, para todos ao meu
redor...

Nosso Brasil!

Pacífico e solidário! Por sua natureza, é de fé!
Sempre fulguras no horizonte, tua bandeira sob 
o céu de anil!
Apesar de tudo  que sofres, refletes nas verdes
matas, tua imensidão, és terra de povo gentil!
Distrai-nos os olhos, em tuas relvas  douradas,
que se espalham nos montes, aconchegadas...
Ao sol causticante  do sertão,
teus filhos são fortes ! Na fome, no frio,  na dor,
na indigência... são cheios de amor, e de paciência! 
Mesmo com tanta incoerência,continuam caminhando,
trabalhando e suando!Em maioria, na decência e no
vigor...
Não és falso diamante, és Brasil de estrelas brilhantes,
com pássaros, flores, e cheio de cores!
Em tuas manhãs, revelam-se braços, triunfantes e varonis...
És esperança, paz e vitória! O nosso lar, é nosso País!
És coração retumbante,que contagia!
Quando estendes tuas águas nas cabeceiras dos rios,
sob chuvas e trovoadas, acordas nas cachoeiras 
tua emoção e magia...
És o canto, és  passaredo, que chega a gritar de alegria! 
És o arrebol mais bonito, que já foi dito na história um dia...
Brasil! Brasil dos brasileiros! Dos brasileiros, és glória!