sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

Nossa dor...

Somos almas aflitas e peregrinas. Somos gritos 
buscando o bálsamo, ou qualquer razão que 
exprima nossa dor...
Somos estrelas vibrantes e carentes de mais luz!
Somos eternos apaixonados por nossas próprias 
ações.
Somos soberanos pelo livre-arbítrio e também pelo 
ego em alto grau...
Somos o auge de nossas montanhas acumuladas de 
enganos, de velhos passos e de antigas jornadas...
Somos eternos apaixonados pelas histórias deste e 
de outros planos.
Somos injúrias e decadências, somos demências ou
felizes insanos, pois somos a hipocrisia guardada a 
sete chaves, como um tesouro intocável, mas que ao 
movimento de singelo confronto interno, nos derrubamos 
e nos açoitamos como corvos a destruírem carcaças.
Nos desdobramos em teorias e máximas, nos desnudamos 
em pureza e o profano...
Somos o que a natureza  fiel nos idealizou...do pó viemos, 
erguidos do barro, ao pó voltamos...
Somos o que somos e nada mudou nesses milhares de anos, 
apenas o nosso escutar e enxergar se transformou no ouvir 
e ver, no estar e ser...
Somos um grande eco  e o mundo que não queremos mais ter!
Já sofremos o dano!  Somos apenas almas querendo viver...

domingo, 21 de dezembro de 2014

Encantos...

Quando olho o horizonte pela minha varanda
encantada, sim, encantada pelos raios de sol e 
pelo aroma das flores...Fico a pensar ,o quanto 
a bondade de Deus ainda está presente,  mesmo 
se a gente não sente, está ali, em qualquer cantinho. 
Vejo  aqui e ali! Há animais e aves , o  verde...
as abelhas , e tanto mais  que nos acomodam aos olhos...
Sinto a voz sussurrante do vento, a trazer sinais das 
chuvas, ouço o canto dos sabiás...Me perco em sorrisos, 
misturando- me às borboletas  que namoram em pleno
ar! Nas folhas, sinto o cheiro do renovo, uma semente virá!
Quando olho o encanto do sol  no horizonte, na benção 
de minha varanda, fico  encantada, tentando congelar
o meu tempo em cada segundo, e agradecendo ao Criador...
Sei porém, que tudo aqui são empréstimos de Deus, tudo a 
nos ensinar valores reais, coisas que não têm preços.São as 
dádivas celestiais!
Já vivi sob telhados pequenos, mais singelos! Não haviam 
varandas encantadas, mas também,  podia -se ver o mesmo 
horizonte, encantado pelo mesmo sol. E  casas,cujas beiradas
das telhas, pingavam cristais na chegada das águas...
E quando minha janela sorria, pelo anúncio do verão,  eu
na minha simples visão de infinito  também achava  tudo ali, tão 
bonito! Até uma perdida joaninha, sob a margarida, num vaso
de canto na porta...Um pardal pendurado no fio de luz...
Até mesmo uma mariposa, sendo bruxa ou não, servia de 
imaginação, uma azedinha  crescendo na calçada, tão escondida
a coitada, com medo de algum pisão...Ah,e a lua na escuridão!
Quando olho e relembro, encantos que já se vão, tenho novos 
efeitos de imaginação...
Felicidade é viagem, feita ao relento ou não. Em nossa vida,
o que importa  é de que jeito olhamos os céus, ou se nos 
perdemos no chão. Felicidade  é algo mais, felicidade é a gente 
que faz!

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Permanência

Adaptações e entusiasmos, nos constroem 
dia a dia.
Somos feitos de resistentes vértebras, que 
auxiliadoras nos sustentam, nos põem de pé!
Vértebras calcificadas no conforto do amor 
fraterno, que nos impulsionam sempre...No 
abraço verdadeiro, o carinho...
Somos acolhidos com âncoras suaves, que 
pelo respeito, nos permite o freio sem dor, 
mas com segurança e conselhos...
A permanência que eleva nos dá estadias de 
paz, nos faz  donos momentâneos de amizades 
sinceras  pelo riso franco, por olhares munidos 
de cumplicidades...
Consolidamos a estrutura de nossas almas, à 
medida em que conseguirmos realizar a 
manutenção saudável da convivência...
O revés e os obstáculos, são sempre ajustes para 
reflexões mais severas sobre nós mesmos.
Na preservação do amor conquistamos maior
permanência dentro dos corações que nos amam.

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Me fazem saudades...

Me fazem viajar e sonhar, todas as vezes 
em que fecho os olhos na calmaria das 
tardes...
Me fazem rever ideias e equivocados 
pensamentos...
Me fazem ressurgir em súbito pranto, todas 
as vezes em que sinto saudades...
Das horas em que sorrindo, me apontavam 
algum engano.
Me fazem lembranças festivas, alegrias de 
momentos, em que apenas um olhar  provocava 
sensações de segura proteção...
Me fazem rir também, e esse riso é por dentro,
vem da alma...por todas as vezes em que pude 
ouvir sábias vozes , naturais de quem nos quer
bem, ensinando os segredos  da vida, de como 
funcionava  cada novidade do tempo, até mesmo, 
de como a dor pode ser passageira...
Obrigada!


                           Aos meus avós!

Aprendendo...

Aprender a superar as quedas, as injúrias, 
nas vezes em que  acreditou no bem e se 
aborreceu. Superar o ódio , as angústias, 
dar sorrisos de simpatia e paz...Ter a boa 
índole trazida da infância, sem acrescer um 
só obstáculo que possa ser chamado de falso 
ou  fruto da  ingratidão...Ter mansidão!
Ter o respeito pelo próximo, não por mando, 
mas por saber que somos todos  filhos de um 
mesmo Deus,e, para os que são ateus, pensar 
no quanto sofrem, por terem perdido a fé...
Buscar no olhar  distante de um velhinho, a 
experiência, a sabedoria que carregam no 
íntimo, tirá- lo da solidão e do abandono!
Saber conquistar a paz no perdão, sem se 
passar por tolo...perceber a fome e a sede do 
outro,  sem que precise pedir um pão, ou água,
um agasalho...
Aprender a amar os animais, como nossos irmãos 
em evolução!
Praticar a verdade e ter piedade dos que erram...
sabendo que somos falhos também.
Não nos esquecendo de que os atormentados no mal
são necessitados do médico chamado Jesus...Ter a 
gratidão por tudo e por todos ...
Aí sim, podemos nos sentir humanos verdadeiramente,
podemos nos sentar à ceia com a família, na noite de
Natal! Aí sim,podemos dizer eu te amo e ter a certeza 
de que ,algo a mais, aprendemos neste ano...
Feliz Natal, para nós todos!!!!

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Progresso

Nem mesmo o tempo é capaz de fazer 
calar a voz...nem silenciar os sonhos.
Não  é capaz de renunciar as verdades 
já conquistadas, ou as promessas feitas 
em segredo, murmuradas baixinho só 
para  si,  em meio à multidão.
Nem mesmo uma marcha ,em função de suposto 
progresso, será capaz de anunciar ilusões
novamente...
As chances de tornarem-se reais as propostas
entusiasmadas em momentos de vaidades, são 
ínfimas, são inviáveis...Até mesmo impossíveis!
As desconfianças geradas, os túmulos revolvidos 
em desrespeito à ordem das coisas, as reformas 
sem nexos, sem proveito, somente para mostrar  
as regras arbitrárias, os requisitos ignorados, os 
desprestígios à cultura consolidada, os grandes 
esforços banalizados. Nada que pareça oportuno,
será capaz de modificar o desconforto de uma 
Nação,cuja amabilidade foi substituída pelo 
preconceito, que antes, já era de difícil  compreensão,
agora muito mais...Sem contar as vertigens causadas 
pelas injustiças e pela Justiça abalada pelo peso de 
seus próprios martelos...


sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Brisas se espalham...

Quando rompe a aurora,  as brisas se espalham 
feito suave toque de amor, dando lugar ao brilho, 
ao frescor,  que orvalhado  se derrama sobre  as 
folhas. Num espelho ímpar, gotejam umas sobre 
as outras, fazendo linda festa de cores, passeando 
entre as flores...
Quando a aurora nasce, é como se todos os dias
nascesse uma nova esperança, daquelas  em que
muitas vezes sonhamos quando crianças, quando 
ainda carregávamos o cheiro do perfume maternal,
o  ávido sentimento de descobertas... daqueles em 
que, de tempos em tempos,desejamos permanecer no 
passado,  por um  instante apenas, para lembrarmos 
onde deixamos nossa inocência, nossas fantasias de 
heróis  que nada temem,e, de pureza quando achávamos
que só um sopro bastava e todas as dores sumiam...
Quando a aurora nasce... às vezes, corre  uma lágrima de
saudade...

domingo, 30 de novembro de 2014

Barquinho...

"Um barquinho na água mansa, se balança e não 
se cansa"... Mas, quem nas tribulações da vida vai
mergulhar, sai mar a fora  nadando, não espera o 
barquinho afundar. Segue a linha do horizonte, vai 
o seu curso encontrar... E o barquinho, que na água
mansa  não se cansa de brincar, segue seu rumo nas 
chuvas, levando para longe o luar... Sempre  jogados
pelos braços de uma  criança. Não há remos, só desejos
de brincar! Balança,  não se cansa em balançar...
Contudo, no mundo adulto, já  não se pode remar!  
Cansados, estão surrados e  prestes a naufragar... 
Estão sem pureza, sem sorte, só velhice para alcançar!
Mas, a pureza da infância  nos barquinhos de papel, são 
viagens que não cansam. Se balançam, subindo às nuvens,
fazendo ondas gigantes,  fantasiando as ternuras que são 
trazidas do céu!



sábado, 29 de novembro de 2014

Natal...

Natal!O que está por vir será um dia
feliz,cheio de cores,enfeites, sorrisos!
Será como sempre foi...um brilho a 
mais de alegrias, um toque de paz 
que se deseja aos outros, um  abraço
cheio de emoções...uma festiva taça
derramando esperanças...um bolo , 
muitos amigos em volta,  a contarem seus
planos para o novo ano que se aproxima..
Ah! Natal, sempre  lindo e encantador!
Até as estrelas mais distantes chegam 
mais perto da terra para  espalhar seu 
amor! Natal deve ser dia de luz, ter o 
mais puro sentimento, é o dia de Jesus!

Chama...

Derreta o gelo, o pó, a solidão!
Derreta a  lágrima sentida,
a razão mais deprimida, a dor.
Derreta no charco da lama que
lhe é própria, as angústias, no
banho que te envolve o corpo...
Derreta as infrutíferas vezes que
tentou se fazer valer e foi dominado
pelo opressor.
Derreta o ácido  do ódio  com que te 
vingas e te torturas ! 
Só assim, com a paz retomada, com 
lucidez...derreta a cera, a vela que te
atormenta a campa, que te joga ao léu,
sem esperança, numa morte eterna...
Derreta com o sal da vida, com o teor 
do pensamento forte, e o medo, não ache
guarida...
Espalhe na chama, tua alma perdida, ouse 
buscar outros sóis e apaga de vez todo o mal!

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Créditos...

No tempo exato, no limite máximo, tudo 
caminha e prospera!
No alvorecer, as sementes germinam e 
refazem os jardins, plantações e alimentos.
Na renovação do amor, os seres como nós,
vencidos pelo cansaço das tribulações, vamos 
nos conformando com os resultados naturais.
Lembrando que fomos feitos de carne e ossos,
não de "aço".
Contudo, no exato tempo onde a vida alcança,
até num olhar infantil... percebemos os 
créditos divinos a nosso favor,dando-nos coragem,
visão clara ,esperanças...
Portanto, nos doemos,confiemos e nos confortemos 
uns aos outros...sejamos faróis em mar de dores...
Apenas, sejamos nós!

As decepções

Não te decepciones se o teu passo é fraco,
se tua voz se cala...
O teu corpo é morada de luz e tua maior 
verdade é teu coração.
As decepções e contrariedades, são estacas 
doloridas aos sentimentos,mas, não podem 
atingir tua alma boa ,nobre...
As decepções fazem parte  de tua caminhada e 
evolução, a fim de visitar-lhe a pureza  e tua 
fé grandiosa.
Esperar na vida que segue, dia a dia, com paciência,
no repouso e com boa conduta, sinalizando as riquezas 
de luz e entendimento que ainda não se perderam...
Aguardar na paz  a renovação do amor, na certeza de 
que as decepções são molas para os impulsos do teu 
aprimoramento, e trarão vigor para tua personalidade 
real.

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Me surpreendes...

Não é o que dizes que me faz pensar, é o que 
vejo...tua mansidão!
Não é tua forma estranha de me abordar, mas,
o jeito como dizes,como te interpreto,  o modo
como te pões à minha frente, sustentando tua 
estrutura  forte e confiante...
Teus passos firmes me concluem, antes mesmo  
que eu possa elaborar mais sonhos,mais saídas!
Meus avessos não me constrangem, porém me 
levam a te observar melhor,com mais atenção.
Me surpreendes nas tentativas em minar meu 
ódio e minha arrogância, quando me sinto frágil 
criatura, quando me esqueço em teus braços a 
esperar de ti o veredito...Sim, sou simplesmente
eu, desnudada, pálida e entregue aos teus pés...
Ao te ver assim, feito luz que embriaga , que me 
ama e me renova, à cada  engano e lágrima que
me sujeito, por saber que posso chorar em teu 
peito, sem conflito ou medo, posso adormecer, 
ressurgir feito "fênix", assim, das cinzas ainda 
quentes...pelas chamas das angústias sofridas.
É teu olhar severo e lúcido,  não o que dizes, mas, 
o que vejo!Me convences, me contornas em 
amorável censura, que me ensina e me transforma 
no que hora sou...simples criatura! Nascida do pó,
que ao pó voltou mil vezes para aprender a te ver,a
te amar e te conhecer ...Senhor,  sois todo o meu 
refúgio e minha síntese de fé...Sois o Cristo Jesus!

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Desejos...

Deseje, deseje sempre! Deseje sorte e amor!
Deseje um desejo forte, cheio de luz e 
resplendor...
Deseje junto com muitos desejos, o desejo de
servir, o desejo de saber, o desejo de sorrir!
Deseje entre tantos desejos, amanhecer mais 
feliz...deseje entre tantos sonhos, o desejo de 
aprender...
Desejos de humildade,  de verdade e de ação!
Desejos imaginários e desejos da razão!
Desejos de quando em quando... E deseje perdão,
com vontade e determinação...
A força do teu desejo, só  te trará claridades!
Portanto, deseje sempre, para todos que te rodeiam,
muita paz e harmonia, para ter  felicidades!

sábado, 8 de novembro de 2014

Obrigada  aos que estão lendo este  blog!



quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Amor...

O amor! Desde que se inventou essa  palavra doce,
tentamos experimentá-lo, tentamos compreendê-lo.
É um modo de nos sentirmos seguros, de sua real 
existência...Duvidamos ao nos depararmos com 
a ideia de que haja algo tão sublime, tão complexo 
e ao mesmo tempo, tão simples de se receber e doar...
No amor as asperezas se curam, as tristezas se apagam,
o nó na garganta se desfaz . Somos capazes de ir ao 
espaço sem nave, apenas flutuando nas experiências do 
seu efeito apaixonante...no seu perfume que acaricia a 
toda e qualquer ideia degenerada, no ódio, nas mágoas...
Ah,o amor!  No seu maior desvelo deixa marcas profundas 
de força e inspiração.
O amor tem um espetáculo, que lhe é próprio, que desconstrói 
qualquer arma de guerra!
Por tudo isso e muito mais, é que peço a Deus pela Terra, já 
que amor não nos aleija, e nunca será demais.
O amor é a arma divina, trabalhando a favor da paz!

domingo, 2 de novembro de 2014

Chove, chuvinha...

Vejam! Lá vem  pingos de chuva!
Já vem, molhando a secura, dando
frescura no ar!
Vejam! Agora sim ! Sem tristezas, nem
medo de tudo acabar!
Lá vem! Cheia de brilho!  Nos jardins,
a terra  agradece as flores, nascidas para 
encantar! Já vem, chuvinha manhosa! Que
finge não escutar. Se esconde, toda 
orgulhosa , diante dos  homens que choram e  
chegam a implorar... Chove, chuva! Sem 
parar, até que tudo refaça! E na sarjeta, água 
a rolar! Então... chove muito, que os passarinhos vão nas
poças se banhar! Chove, chove bastante! Para que São Paulo
elegante, possa de novo  sonhar, possa sorrir novamente
e sem  águas desperdiçar...
Chove, chuvinha linda!Seja de noite ou de dia,vem derramar
melodia ,nos telhados e  campinas! Depois de tudo regado,
mande bem posto recado, aos que são desavisados!Quão grande 
é o Pai Criador, que manda chuvas de bençãos e traz de volta 
 andorinhas, nas asas do seu amor!


sábado, 1 de novembro de 2014

Despedida...

Despedida é laço  que voa sem medida !
É lamento ansioso, por um retorno na partida 
de quem não quer ir...
Despedida é laço que afrouxa,deixando 
marcas em suas amarras, ruptura de uma vida!
Despedida  para  perto ou  longe... são as
lágimas perdidas, pois, ninguém se vai totalmente.
Pessoas, ficam nas lembranças, fixam -se em nossas 
mentes...
Despedida, é laço que voa,mas, que também prende.
É um olhar absorto numa porta,à espera paciente...
É esperar quem se ama, ser trazido de volta ,é ter 
vontade de abraço,é ter amor,esperar eternamente...
Despedida,é saudade que vem e vai, contando os dias 
e as horas da gente... despedidas são provisórias,
nunca serão para sempre...

terça-feira, 28 de outubro de 2014

É bom...

É bom abrir sorrisos de alegrias ao  
reconstruir o que se julgava destruído.
É bom seguir as nuvens do céu,  
admirar o azul...
Abrir sorrisos de alegria pela vida ! 
Sair de foco,  por um instante apenas... 
Alcançar as estrelas, depois voltar com 
um pouco de seus brilhos nas mãos, para 
completar a magia do tempo...
Encher de luz  o pensamento, na esperança 
de que tudo seja diferente!
É bom sorriso largo, olhar discreto e 
verdadeiro, apoiando a fé na alma de quem 
perdeu os passos!
É bom um sorriso aberto, que se faça o certo!
Que não se apague o mais simples traço de 
ternura, nem a lágrima pura, nem a nobreza de 
intenção...É bom um sorriso bom de candura e 
de satisfação, de um irmão, um amigo...
Que bom e melhor seria, fossem sorrisos nos olhos,
nascidos no coração!

sábado, 25 de outubro de 2014

Há em mim...

Há um Universo para se conhecer!
Uma antiga moldura que se apresenta
ao olhar...que dá realce,  felicidades...
Há uma pequena trilha escondida em 
meus passos, que só percorro quando
me lembro das suas lindas paisagens, da 
claridade e do silêncio que nela habitam.
Nesse Universo, até o respirar é mais 
ofegante pela emoção guardada, e tem 
ainda, um cheirinho de jasmim que me 
faz adormecer em lembranças doces e 
em sonhos que ao longe se vão...
Existe um Universo de continuações, onde 
muitos, desfilam ante meus olhos, que são raros, 
e são simples, intermináveis...que estão em mim,
estão em ti e nos que sondam paisagens... 
nos que acreditam e de algum modo desejam 
sobreviver para desvendá-lo.



Aceitações...

Nem trevas, nem luz! Por sabermos que necessitamos do 
ponto de equilíbrio.
Somos alvos buscando a  perfeição ...
Nem trevas, nem luz, mas apoio recíproco.
Nem o Norte ou o Sul...apenas visão mais precisa no
 alcance  do entendimento.
Nem Leste , nem  Oeste ,   o Sol  nasce para todos.
Nem treva ,nem luz, mas o centro das convicções vindas 
do aprendizado. Em meio à dúvidas, aceitações !
Somos instrumentos de concórdias, e discórdias também, mas, 
os melhores,  quando  atingimos objetivos de amor e afinidades.
Somos a ruptura dos padrões buscando um futuro mais- que- 
perfeito, por acreditar na vida e nas verdades contidas no 
mundo...Somos chamas ardentes que se alimentam de esperanças 
pela paz na Terra.
Nossas direções já  foram marcadas pelo destino natural, basta 
segui-lo. O caminho tem rastros de singeleza e fé!

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Idade...

De forma inexplicável, muda-se o jeito, os gestos,
mudam os reflexos, teu semblante numa fotografia.
Aquilo que num tempo foi exuberante e belo, hoje,
foge de ti o riso, o traço leve, permanecem apenas as
imagens amareladas dos dias idos.
Hoje, do que outrora fora radiante, transformou-te 
em figura suplicante...Suplicante de amor e de  
ternura, sem escolhas que te possam parecer seguras
ou brilhantes.
Agora, rígida, ignorada e vacilante é tua morada em
corpo  senil, sobre os ombros caídos o cansaço...a 
espera!
Como companheira em final da existência, de olhar 
fixo no passado, a velhice !
A realidade pura, perdendo -se em ondas de aventuras, 
lembrando as formosuras que não voltam mais...

sábado, 11 de outubro de 2014

Porto seguro...

Ancorar sentimentos em porto seguro,é confiar
novamente,acreditar na magia da vida que se 
encarrega, em ofertar as promessas da alvorada,
sem medos ou decepções,mesmo porque ,as luzes 
quando abrem caminhos ,estas, descem do céu,de 
Deus,do amor e da verdade...
Porto seguro, é liberdade de ir e vir,é sentimento 
puro,ingenuidade.É sabor de vento desempoeirando 
passado,deixando gosto de renovação,é perdão...é 
ficar à espera da transformação,é envelhecer com 
cuidados.
Porto seguro é ter fé inabalável no nosso Criador!

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Que mundo é esse?

Ah, esse mundo...esse mundo tem  prós e contras!
Tem o que faz e o que desfaz,e tem o que conta...
o que aponta,o que se fecha em copas,o que grita!
Nesse mundo ,tem hipocrisias,idolatrias e já teve 
Jó...
Tem alegrias imprimidas e reprimidas em histórias 
sem fim...
Temos fatos ,fotos e glórias,temos o que é raso e o  
que é fundo,tem também submundos,celas e serras!
temos aqui muitas terras e serras que destróem as
florestas,mas,temos primavera!
Nesse mundo, temos que ser fortes,existem concorrentes 
que são "feras"...e feras se extinguindo,mas podemos 
contar com a esperança,aquela que é a "última que morre",
Aqui tem espaço Cósmico que abriga a Lua,as estrelas...
e temos o Sol que abraça com ternura a relva e  a criança 
solta nas ruas...temos parreiras,vinho,uvas!Natal!!!
Nesse mundo, temos a arte, a canção, o gesto, e os que 
são inconsequentes, e ainda soltam balões, fazem queimadas.
Mesmo assim,tem os bombeiros que acreditam em bitucas 
de cigarros, mas, temos tv de plasma, o celular, o pc, Wi-Fi
e sei lá mais o que,dizem por aí que há evolução...
Nesse mundo, ainda se vê enforcamentos, uma decaptação ,
um suicídiozinho aqui e ali, temos guerras, rinhas de galos,
brigas na frente das crianças, pouca fé e muita arrogância!
Ainda temos um botão  de rosa que enfeita a vida e a morte,
as formaturas...os casamentos...Sim! Há casamentos ,há
separações e sofrimentos, e falso amor...abortos!
Aqui temos jovens sonhadores e vazios, mas há os que estudam 
e são perfeitos!Há uma velhice, desamparada no anonimato,e 
criancinhas nos orfanatos,desperdícios e muito mais a se olhar.
Ah, esse mundo é muito velho, muito grande para se contar...

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Um pouco de reflexão...

Deixando de lado, a ideia de conflito entre o bem e 
o mal,mas pensando no conflito sobre o conhecimento 
e a ignorância...Havemos de imaginar,o quanto esse 
conflito nos incomoda.
Se há conflito promovido pela ignorância,junto ao
conhecimento ,o mesmo já não é completo,e não será 
cem por cento,pois,o equilíbrio do que se pode chamar 
conhecimento,não causará conflito,por saber que os 
que carregam ignorância,não terão o mesmo nível de 
persuasão,tão pouco,a compreensão no que se diz ser 
conhecimento.Portanto,a ignorância poderá se esconder 
em desculpas,até que acorde,porém, o conhecimento em 
conflito com a ignorância,estará exercendo também um
descuido imperdoável,mesmo porque, os ignorantes na 
sua maioria,se conflituam com seus afins...

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Esperança.!

Acredito que os homens terão a chance de desfrutar do 
bem e do amor.Um dia, tudo será diferente, menos ódios, 
menos guerras, não  mais haverá violência contra as 
mulheres...não haverá abortos, nem crack, nem desrespeito
aos idosos, ou egoísmos sem limites.Creio que um dia o amor
vencerá.Uma criança não precisará mais esmolar o alimento 
nas ruas...Pais não abandonarão seus filhos, mães também 
não.O alcoolismo desaparecerá de vez, assim como a miséria  
e a fome.
Creio que um dia, não muito longe, a pedofilia será erradicada 
dos cérebros dementes, insanos... Talvez, haverão vacinas contra  
todos os tipos de sentimentos de ciúmes, ou mesmo de invejas...
Haverá um dia, em que os homens vão se orgulhar de serem 
quem são, usarão máscaras para serem aceitos, só no carnaval, 
e o "carnaval",só de alegrias verdadeiras, não para haver guerras 
de escolas de samba.Um dia, o vale quanto pesa, servirá apenas 
como medida de massa, não como medida de desigualdade
social, nem mesmo para humilhar alguém...
Acredito que dia virá, em que nós "humanos", o seremos de verdade.
Seremos Humanos, o suficiente para termos a sensibilidade de olhar 
nos olhos uns dos outros e pedir desculpas, por nossas transgressões, 
nossos erros mais banais...Talvez, até tenhamos a sorte, de que ao nos
perdoarem, nos ensinem de novo o que é pureza, sem preconceitos.
Sei também, que as religiões caminham para um único fim, Deus...
É preciso haver conflitos, para se ter mudanças e concórdias...mas, 
serão conflitos teóricos, não "guerras santas"! Aprenderemos com as 
diferenças, não com o orgulho! Creio que, com humildade verdadeira, os 
homens e mulheres  se unirão mais. A dor, nas doenças, serão apenas 
uma desculpa para nos levar à outros níveis de evolução.
Quanto ao mal, a violência se enfraquecerá, à medida em que o amor 
florescer nos sorrisos infantis, e os brinquedos, fizerem parte da fantasia real...

O mel...

O mel do teu sorriso é pleno,é iluminado!
Das coisas que deixam marcas,que doem,
que atormentam...que dão pesadelos,
cujo alívio só vem,trazido pelo olhar que 
aconchega , que cura...
Cura que se origina entre as flores, apagando 
o fel!
Ah! O que seria de mim, não fosse assim , o mel 
do teu sorriso a destilar grandezas de amor e 
fruindo de mansinho o sabor da vida...

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

O tempo,quem sabe...

Não sei se o acordar é cedo ou tarde...
Não sei se a chuva  molhará  o  meu 
sorriso.
Não sei se os anjos do céu ainda habitam
no paraíso ou se estão em conexão,aqui 
e agora.
Não sei se o ajuste do tempo, diante do
relógio, será real,depois que inventaram 
o digital.
Não sei se o morrer, será um renascer em
algum lugar ou seremos o final...
Não sei...talvez...
Talvez viver seja o mais importante em 
meio à tantas preocupações com a eternidade,
com as santidades, o "ser ou não ser" de cada
um,os temores, os nós que amarram e punem.
Não sei se o acordar ainda é hoje ou se  já 
perdi as horas.
Não sei, talvez...
Talvez o tempo  em que  aqui, a vida se demora,
seja mais breve do que o enunciado...
Só sei , que dar passos em direção ao Infinito ,
é ideia razoável ,chega a ser quase concreta ,
não fosse a Natureza, que não dá saltos,ela espera!


sábado, 20 de setembro de 2014

Não sabem...

Aos  que nem por um instante olham 
para os lados,que surgem e ressurgem 
do próprio ego...inventam critérios de 
convivência, baseados em si mesmos.
Não sabem, não se comprometem,não 
sabem...
No coração ferido,que sangra e arde 
no peito,existe um princípio , é o outro,
que se reflete como semelhante, o nosso
próximo.
Aos que na presunção se revelam,ficam 
indiferentes,fingem não ver os tropeços ,
os  gritos dos que seguem cansados...
Não sabem, pois, arrogância trazem e 
se chocam quando se vêem num sono 
profundo,descobrindo  o desprezo  e
o escárnio do mundo.
Pobres criaturas,contaminadas pelo vírus 
do orgulho,instalado pulmão adentro, se
enchem  de poder,mas também de tormentos,
sofrem, por desconhecer a bondade de Deus!

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Passatempo...

Passa o tempo, passa o chão!
O mistério do vento, o sorriso 
de irmão.
Passa o laço no sapato,passava-se
a roupa no ferro a carvão...
Passam as praças, as flores,passa 
o tempo dos amores,no chão a cera,
depois o escovão,mais à frente a 
enceradeira,hoje de mármore os pisos
são...
Passa o vento,o Sol,vem a chuva,nos
jardins abrem-se cores!
E nos olhos dos velhinhos,quantas lutas, 
quantas dores...mas, as dores também 
passam,passam as horas ,bem lento...
já a coerência, implora,passatempo !
Passa o tempo na grande hora de oração,
passando angústias e aflição!
passa o carro de som, o passado na 
televisão!
Passam os mistérios  com os ventos,nos 
sorrisos que se vão,e o que passa ,já não 
se acha,nem as marcas,nunca mais...
O que fica,são retratos de outras valas 
em que o passado desfaz.

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Reagir...

Na mansidão estão guardadas as luzes do espírito.
O bem e o mal se chocam em efeitos singulares...
Na sintonia sarcástica, o mal se mostra  cruel e 
decidido, impressionando e oprimindo os simples
de coração. Mas há uma necessidade imediata,
o bem tem que reagir e sufocar o mal, deixá-lo
tímido, tímido o suficiente para afastá-lo, deixá-lo 
sem chão, sem voz e sem essência.
O bem em seu estado perfeito de poder, regula as
atrocidades. Sustentado pelos sentimentos nobres 
que procedem da humildade, humildade que não 
teme, que confia os passos entre víboras, por saber 
quando usar a claridade nas trevas mais espessas.

terça-feira, 26 de agosto de 2014

Sempre...

O modo como se repetem as histórias,
o fazer e refazer os caminhos usados 
para a liberdade,nos deixam inquietos.
Somos simples  humanos à espera de 
respostas.Não temos de imediato nenhum 
plano,e nem sempre uma saída perfeita...
Para cada passo em direção à vida, no 
que nos parece o mal, recuamos, à cada 
passo um freio,um não sei...dúvidas!
À cada sensação de mal, um medo,um frio.
Sempre um resumo e uma cicatriz indesejada, 
um choro, um remorso,uma lembrança que
fica abafada...
Na ação malévola,existe o endereço certo,é 
o orgulho e ainda o egoísmo, seu maior 
escombro.
Dar a outra face,é a paz articulada no perdão, 
é ter a coragem do bem!

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Desmoralizar o mal...

Desmoralizar o mal é um processo 
aparentemente infinito. Necessitados
somos de amor,fé,verdades,caridade,
luz!
Desejar que o mal se desfaça é parte 
dos pensamentos da maioria, é a ideia
de habituar-se ao bem...desarmar todo  
o ódio, rancores e injustiças sociais.
Desmoralizar o mal através da arte, do
sentimento puro... da música !
Não tenho vontade de tempo perdido, nem
de ficar calada.
A inércia, a meu ver, não é possível diante
dos flagelos...
A Terra gira, e com ela nossos atos,  nossos
pensamentos... daquilo que penso, manifesto, 
exponho... aos que gostam de ler agradeço!
Desmoralizar o mal, é um começo !
Eu quero, você quer e  nisso creio, por isso,
sonho e escrevo.
O mal sempre será o mal... O bem, seu único
antídoto, no amor, há paz!  Na justiça, há nossa
melhor vacina...

domingo, 24 de agosto de 2014

Falsidade...

E o que é falsidade...
É o agir do outro contra
nós? É o pensar diferente?
É o  não aceitar educadamente?
O que é falso por si ,cai um dia, 
mas, tanto faz,mesmo que repetidas
vezes surja o falso brilho do olhar...
o sorriso amarelo de alguém, o peso 
nos ombros pelos que nos toleram 
docemente...
Falsidade, é ato ou ação daquele que 
é falso, enganoso,portanto, a si próprio
um dia ,será danoso verdadeiramente!

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Conveniências ortográficas...

O alfabeto desconexo, é resultante da
falta de apreço aos costumes daquilo 
que é correto...
Histórias escritas em linhas da servidão, 
ou mesmo sem padrão, o que é incerto, 
é injusto...a não alfabetização.
O que antes foi escrito em versos e prosas, 
em dedicação, agora é posto fora, não há 
nem mesmo interjeição...
Tudo está em contradição, só um saborear 
de letras, o desrespeito à língua, à origem, 
ao som... não se sabe interpretação.
O analfabeto funcional é moda  para disfarçar 
a omissão.
É o  alfabeto desconexo da enfermiça mutação... 
dos homens, da mutilação das frases, a banalização.
A letra que salva, não mata, é juízo e efeito, não 
há ordem nem progressos, nem mesmo há  sujeitos, 
tirou-se do verbo a ação, a voz, o objeto direto, o 
entendimento. Agora querem tirar o motivo e a 
expressão de termos direitos, de sermos Nação!
É a caneta que mata a letra no preconceito e na
corrupção...

O que não rima mais...

As coisas que não rimam mais, são 
diversas, são ocultas...
As rimas se entrelaçam de quando em 
vez, nos martírios, nos lírios infantis 
expostos à guerra.
As rimas que já não rimam mais, se 
misturam ao crepúsculo dos perdidos.
Rimas que não rimam a nada mais, são 
silenciadas nas trevas dos que estão 
ignorantes.
Das coisas que não rimam mais sobram
poeiras, marcas de  pés  ou mãos, sobram 
interrogações...
Nas rimas outrora feitas, estão as digitais 
dos poemas de paz escritos na intimidade 
de cada ser.
O que não rima mais, é o  ódio  entre tantas
raças e esse código infernal do preconceito.

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Coisas de criança...

Ah...que bom seria,  se pudesse atravessar 
as nuvens e só com a pontinha do nariz
espiar o céu  para ver como se fabrica 
gente verdadeira. Onde estão?...a lua,
o sol... Ah, que bom seria se no vai e vem 
de um balanço, eu pudesse esquecer as 
discórdias do mundo e rever quem já 
não mora mais aqui, sinto saudades...
Estão soltos na eternidade!
Ficaria no balanço, mais muito tempo... 
Lá, pensaria noutro modo de ver o Pai 
do Céu, quem sabe, jogar-lhe um fio e 
laçá-lo junto ao meu peito,  e dizer : Olá 
Deus, eu te amo! Me ensine a fazer tudo 
outra vez,  mas, desta vez sem enganos...
Então, "Ele"responderia :
_ Pode me trazer junto ao peito, eu sou 
o único jeito de te fazer feliz e de 
consertar teus sonhos quebrados...

sábado, 2 de agosto de 2014

E aí...

Eu , você, ele, ela, aquele, aquela,
os muitos...
Eu , você e os outros , ancorados num 
mesmo "Porto!"
Quem és tu? E quem somos nós? Quem 
sou eu, se é que sou?
E  qual é nosso lugar ?  Quando será  que
é o tempo de Deus, a eternidade ou um segundo? 
Necessitamos de reflexão...Nós é que temos que 
fazer sentido, buscar o fundo.A superfície é 
cheia de respostas plenas , impregnadas de 
certezas  interesseiras...que te laçam...
No questionamento óbvio dos que ignoram a 
astúcia, a  malícia,num monumento sólido de 
vultos,com cadeiras cativas no saber do mundo...
Ai de mim, ai de você e dos outros se não pudermos 
embarcar a tempo nesse "Porto"...Ai daqueles que num
futuro bem próximo não conquistarem seu próprio horto, 
será réu ,será engolido  pela praticidade do conforto.
Ai de nós se não pudermos fazer valer a voz...sem 
identidade , sem moral, sem vitalidade pública,sem
patrimônio para deixar aos seus...sem concórdia nem 
discórdia.Ai de nós, aí daqueles que se embriagam nesse 
instante acomodados no usufruto do poder...tudo será 
contabilizado no descuido , no infortúnio das gerações
momentâneas...o arrepender-se ...

quinta-feira, 31 de julho de 2014

O sal...

Na eternidade do dever cumprido, o sal  
justifica o infinito no equilíbrio da artéria...
O sal que conserva a carne, o mar que purifica 
em ondas de brancas espumas , o sol que entorpece 
de preguiça o caminhar, tudo é trincado em pedras, 
em sussurros de ventos, tudo em pó, formando areia 
fina...tudo em colorido vibrante,em céu azul...
O sal que conserva a carne, o peixe, o corpo nu...
O sol em doce alvorada de gaivotas, o cheiro de algas 
e de brisas soltas.
O pescador, o pão...tudo banhado pelas encostas dos 
destinos, feito hinos de amor ao Criador,o mar...

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Memórias cruas

Somos todos vítimas dessa grande
estrutura e no futuro nos serão
negados  qualquer ato de ternura,
se não deixarmos pagas, as contas da
escravatura e da mansidão covarde
dos que não conseguem ser heróis.
Sofreremos repetidos lances de
memórias cruas, do tempo em  que
a verdade se manifestava nua  e num
tempo que ciranda era coisa de criança
e os poetas ficavam encantados com a
lua...

Não vê...

Feito de rastros da soberba segue o homem.
Repudia todos os possíveis toques de amor e
ainda  dá-se  ao luxo de festejar vitórias, de
tripudiar...e como se não bastasse todo o seu
orgulho, escarnece dos que se comprazem no
bem.
Não vê, claro que não! Está enceguecido pela
grandiosidade do poder.
Feito de rastros da soberba, ri, se satisfaz  e
alimenta -se, enquanto com  tormentos de fome
e frio desgasta a outros, é a lei do mais forte.
Então, não é  por sobrevivência, mas por
egoísmo . Mira seu próprio ser revestido de  
vaidades.Nem por ignorância! Muitas vezes é
abarrotado de diplomas,tão pouco por modismos, 
mas ganâncias incontroláveis ...









Comprazer = ser agradável,deleitar-se(deliciar-se)
Soberba=  orgulho,presunção
Repudiar = rejeitar,repelir
Tripudiar =  sapatear
Escarnecer = fazer escárnio,zombar de
Orgulho = conceito elevado que alguém faz de si

quinta-feira, 17 de julho de 2014

Tramas

Teci uma trama na linha do tempo,com
as cores celestiais...
Fiz pontos, que são únicos, com meus
próprios pés, fiz vários, fiz muito mais!
Me confortei nas linhas do horizonte,
vendo o Sol que bordava o amanhecer.
Tentei imitá-lo com o que sobrava dos
seus brilhos, e na minha pequenez, diante
do ouro que vem do alto  em forma  de 
bençãos, daquelas que surgem  no dourado
trigo, que faz o pão, que dá o abrigo...
Tentando criar novos caminhos, aproveitando
o calor do tempo, lamentei o orgulho com que 
a  falta de amor destrói  todo o mundo...
deformando e transformando  sementes no egoísmo,
e em  pálidos arrependimentos, ainda teimam, porém,
não desisti, olhei para os cristais das chuvas e
pude ver que a Natureza, de forma muda, limpa 
as asperezas.Ela própria,  cria novos rumos sem
esforço...então, tomei um atalho,  nessas águas que 
se avolumam e purificam, batizei minha alma na
amplidão do infinito, onde não mora nenhum aflito,
porque tem a presença de Deus...

sexta-feira, 11 de julho de 2014

Permita-se

Deixe as estrelas te mostrarem caminhos!
Deixe que elas te guiem no infinito céu...
Siga a realidade no tempo que é investido
em si, presenteado pelo Criador!
Deixe as estrelas brilharem para sempre,
mesmo que já tenham morrido aos teus olhos.
Seus rastros ficarão marcando a escalada do
amor...
Deixe que as estrelas guiem teus passos na luz
infinita da vida,  feito faróis eternos, que elaboram 
o que é belo e verdadeiro em ti! 
As coisas que te assombram a paz, deixe ir...

sexta-feira, 4 de julho de 2014

A dança...

Há várias danças diferentes,em 
quase todo o continente,  as que 
libertam a alma e as que te envergam
lentamente...
Mas há um tipo de dança, que cansa
os meus pensares...
É aquela que balança  os sentidos da 
mente.
Fatos que jorram virtudes e fatos que
fluem em serpentes, quando atingem a si 
mesmos, não dançam suavemente.
Ouvindo o ritmo das flautas, que tocam 
alegremente, surge a dança do espírito
perfumando os ares da gente.
Existe a dança das cadeiras, dos que
dançam em volta e sentam, buscando o
brilho das prosas, e tentando ser 
veementes*...
Contudo a dança das danças, é aquela no 
invisível, quando os anjos batem suas asas
para tudo o que é impossível!



*veemente =forte,enérgico,vigoroso.
veemência = qualidade de veemente;eloquência
*eloquência= faculdade de falar ou escrever de forma
agradável...

segunda-feira, 30 de junho de 2014

Divergências...

Equilíbrio, força, razão e vontade...
Tantos pontos interligados à favor
da sanidade.
A loucura sempre à espreita com os
matizes da vaidade, confundindo mentes
cultas, maquinando a liberdade.
Alguns tentando estancar o mal,
subjugando o viver...outros usando a 
malícia, fazendo o mal renascer.
Somos sempre linhas opostas, tentando
compreender...
O abismo do orgulho que nos exalta, faz o delírio 
vencer.
O criticismo* impera, em busca da verdade, 
porém, somos vísceras, sentimentos e também
individualidades.
As sensações nos oprimem, jogando-nos à 
moralidade. O medo de muitos séculos em 
calabouços do fascínio,leva todos os pensamentos 
à religiosidade em declínio.
Contudo,  há uma saída? O que gera preocupação,
é o imediatismo que corre na veia da obsessão, e
formam novos abismos prendendo-nos o coração!
É preciso sanar egoísmos, para não sofrermos 
em vão.


criticismo* = sistema filosófico que procura determinar
os limites da razão humana;racionalismo crítico.
calabouço = prisão subterrânea
divergência= Ato ou efeito de divergir
divergir= não se combinar;discordar.
declínio=  decadência;próximo ao fim.
espreita= Ato de espreitar;estar  à espreita,
indagar,tocaia;...
estancar= deter ou fazer parar o curso,impedir
a corrente do líquido;
fascínio=fascinação; encantamento
imediatismo= Ação feita diretamente;ação de fazer as coisas
sem consulta ou recurso a outrem;ação de benefícios transitórios
ou resultados momentâneos, sem medir consequências futuras.
matiz= gradação de cores,combinação de cores 
diversas;
moralidade=conduta regular;caráter moral das pessoas;
pudor.
obsessão=preocupação constante;ideia fixa

domingo, 29 de junho de 2014

O que a sociedade pede?

O  que  a  sociedade  pede?
Pede  que  haja  providência, 
diante  de  tanta  violência!
Mas,o que a sociedade pede?
Pede melhoras com urgência,
Já não há mais paciência...
Não temos suportação,o tempo
vai se esgotando e com ele nossa
razão,estamos nos perdendo, será 
que estamos morrendo?Inertes não
somos Pátria, muito menos cidadãos!
Mas, o que pede-se exatamente?
Pede-se uma voz de experiência,que
renove a decência  e dê rumo à Nação!
Para a criança o cuidado,o teto; ao 
idoso a atenção,protejam as nossas 
fronteiras, que o doente receba respeito
e que melhore a educação!Pedimos ainda
ao Governo: que nos dê além da Copa,uma 
grande emoção...que acabe a impunidade,
que seja para a vida inteira, banida a
corrupção!




quinta-feira, 26 de junho de 2014

Sinceramente...

Estou  ficando  pobre de sentimentos
envelhecidos...
Estou pobre também, de compreensão 
das coisas que se dizem verdades e não 
são, mas já não importa...
Quero o hoje, mais do que o ontem. Sonho 
com o amanhã!
Quero riquezas de detalhes na expressão 
e sonho com dias melhores.
O hoje é fundamental na emoção e nas 
feições infantis,  nos abraços sinceros!
As asperezas e angústias servirão de avisos 
na estrada e o ontem mudará de cara...
Serão lembranças transformadas  em doces 
registros de alegrias, porque pudemos sorrir.

quinta-feira, 19 de junho de 2014

O chão...

O chão que pisas, é teu!
É teu o chão que faz com
que caminhes,é o teu norte
e o sul, é meu e teu...
O chão que pisas, te dá seguros
sentimentos de que tens liberdade, 
dali tiras pedras e obstáculos, do 
teu chão!
Plantas e colhes o alimento,onde o 
chão já tremeu,nesse mesmo chão 
outros caminham entre o nocivo e 
o inofensivo,ali se criam e se convertem 
em cadeia de fome e comem...assim, o 
supérfluo também...
O submundo espera ansioso por farelos 
que são quimeras* ...
O teu chão no meu e no de muitos, são 
beiras, são o acúmulo e as faltas,também,
desperdício e fundo.
Há os que pisam o chão e se afogam num 
lamaçal suspeito, onde a vida se inclina 
corrupta e inatingível,mas,por pouco tempo,
o chão que às vezes se beija com respeito,
traga os corpos do bem e do mal,traga as
histórias sem fim...
O teu chão é o limite do teu céu e do teu
inferno,é o meu e o de muitos!
O chão silencia todos os passos numa campa
santa,que em breve instante se aflora em veneno
ou flor,outra vez ...mas é o teu chão,o nosso e o
de muitos que definem as raízes e os bens!




beira=borda;proximidade;orla;aba de telhado.
obstáculo=estôrvo;embaraço;impedimento;dificuldade;
inconveniente;barreira.
quimeras*=Monstro fabuloso,com cabeça de leão,corpo
de cabra e calda de dragão.Nome de um peixe;fantasia;
produto da imaginação;utopia;absurdo.
submundo=o conjunto dos marginais visto como em
grupo social organizado.

segunda-feira, 9 de junho de 2014

Sono...

Quando somente trevas se estenderem 
e não se puder mais enxergar a luz do 
dia, quando na estrada tudo for breu e
névoa espalhada...
Quando no sono do justo, a inércia o 
buscar na morte, então, numa réstia de
sol, com o suspiro de amor divino se 
romper a eternidade da solidão, o vazio 
e  o "nada",  se transformarão em uma
ocupação segura, de pensamento sólido,
e real , só então...
Quando a escuridão se for e o amor
permanecer, sem intenção de partir...
Tudo será novamente, tudo será 
semente de fé que se abrirá na claridade.
Só então, será plenitude, para aquele que
quer e  sabe renascer...

sexta-feira, 6 de junho de 2014

Secura sem cura...

O chão seco  representado sob o 
céu azul extravagante,assume o 
horizonte...
Traz consigo no tempo, a fome, o 
fel, o esquecimento...disfarçado desde
longe!
Os velhos galhos, esturricados pelo Sol,
dão uma imagem de desterro, pobreza e 
solidão.
Nenhum pedaço de carne ou pão sobre 
a mesa, apenas um gesto seco de tristeza...
Nas camas de algodão, escurecidas pelo 
pó da terra, sussurram vozes de beleza,
suportando ano a ano as ambições de 
empolgação momentânea, fundadas na
incerteza,nas promessas, assim é o sertão...

terça-feira, 3 de junho de 2014

Enquanto...

Enquanto a  brisa da  manhã  vai 
tomando o espaço , o  raio  de  Sol 
vem trazer  a  esperança...
Ouço  no canto dos pássaros, o 
clamor da mata. Ouço o sufoco das
gentes,vindos em sons da longa estrada, 
logo em frente...
Os pássaros reivindicam liberdades aos
que estão cativos...
As borboletas nos ensinam os encantos da
lida, calmamente, transbordando cores!
As gentes que por aí deslizam em seus carros,
vão clamando  a Deus, o Senhor de tudo, algo 
que por dentro,  o sentido é mudo...Se desesperam
por uma solução qualquer.Clamores de gentes 
desconhecidas, aflitas...outras, felizes, tão felizes 
que se distraem com a vida! Apressadas...
Enquanto a brisa da manhã vai tomando o chão,
o Sol  vem rompendo com a esperança, timidamente
a nos dizer "Bom Dia"!

sexta-feira, 30 de maio de 2014

Nem sempre...

Para todos nós, há um estado perfeito
de coisas.As indeléveis ou razoáveis...
Somos pessoas constantemente ligadas 
ao peso angustiante da espera!
Desejamos ter o verão, livres do inverno, e 
sonhamos  o outono todo, com as flores da
primavera ...Somos contradição!
Não estamos acostumados a perder, mas,
nos erros, somos chamados à razão de ser.
Ser o que somos e  rever...
Somos o que somos, nem sempre precisamos
saber, contudo, temos o dever de aprender!




indelével= indestrutível;indissipável,que não se dissipa.
razoável= conforme à razão;moderado;acima do mediocre;
satisfatório,aceitável.

Acreditando...

É  como se vive... confiando! Sempre!
Como  atingir  o  inatingível, sem pressa...
Como se dominássemos a luz do Sol.
Por mais que brilhe feito um farol ,beijar
cada estrela, sem se ofuscar...
É  como se  tocássemos o céu , sem 
deslizes...
É  como estar  num maremoto sem medo
e naufragar os sentimentos ruins.
É como submeter a luz que seduz,  que 
aquece  sem egoísmos,  ao  mesmo  tempo,
isolar  a  solidão. É  o  renovo!
Como se o cheiro  do  mar nos envolvesse  com 
suas  ondas, à cada balanço...
Como se tudo parasse e reverenciasse cada 
manhã  com o hálito puro da hortelã!
Assim, observando as leis da gravidade ,vendo a lua,
aprendemos  a  viver  sonhando...
É como alcançar o céu suavemente  numa oração!
Como se chegássemos a Deus ...  tocando  o que
é intocável  pelo coração, com  fé  na eternidade...
Com amor é que se vive, é como se vive a realidade!

terça-feira, 20 de maio de 2014

Tudo certo...

Tudo certo, tudo caminhando no 
concreto, pleno voo...Nudez de alma, 
o rubor,trauma e  rancor ...  loucura 
súbita,  desamor!
Espaços vazios de pensamentos, furor, 
lapsos de entendimentos.
Paz de espírito ou pavor...Na insensatez, 
os desvios, varios...
Na estupidez, o rigor...respostas! 
Ninguém questionando os soluços, nem os
gritos de  pânico, nem os aflitos!
Nudez de alma,labirintos,distanciando o 
brilho do olhar que asfixia, temores...
Momentos de verdades ou incertezas, o 
terror. Ninguém para questionar os 
exageros de liberdade hipócrita!

sábado, 10 de maio de 2014

Pequenos vãos...

Num silêncio oportuno  abro 
os olhos para a janela do mundo...
Tudo é estranhamente vago e solitário.
Tudo é estático, o que vejo se mistura às
sombras nos becos escuros das ruas. 
Vejo o inexato, o inamovível, o impróprio 
também ...o chão, um pária...
Vejo animais em descaso, criança sem pão!
Nesse oportuno silêncio  me refaço em 
pensamentos. Fico entusiasmada num só 
momento e em outros, não...
Vejo a velhice  desistindo de ser importante!
Vejo mais, vejo a angústia de muitos se
questionando..."Cadê as luzes da cidade?"
"Onde está a luz no fim do túnel?"
"Para onde foram as cirandas da infância, 
por quê tanta maldade e desesperança?"...
No silêncio oportuno, onde está a vida lá fora,
ouço o bater de corações aflitos, das mães que
choram suas perdas na violência das horas...
Então, nesse mesmo silêncio também oportuno,
fecho os olhos, fecho a janela do mundo, me 
refaço...viajo por dentro ...Cadê coragem, para 
o vazio que ficou em suspenso!Me deito sob a 
janela do quarto, buscando no brilho da Lua, a 
resposta, esperando que ela  confirme, que 
a coragem está por dentro, em passos firmes,
na paz que habita no coração e num dia após o
outro...oportunamente!


estático=  firme;imóvel;parado
inamovível=  fixo;estável;irremovível
Pária= A casta ínfima dos hindus;
homem excluído da sociedade;marginal.

quarta-feira, 7 de maio de 2014

Vaidades...

Compare uma linda flor, suave e
aveludada, com tua imagem de 
pele encantada num instante de 
juventude, sem  receios...
Compare o colorido das luzes no 
teu espelho, a imagem que ali está 
refletida é teu deslumbre. 
Tudo é serenidade e sorrisos!
Tudo é alegria e fantasia! 
A luz do Sol, com o frescor do orvalho,
realça um perfume tímido no ar...cheiro 
de coisas boas, compare !
O hoje é o teu ontem, o tempo passa  e
fotografa sorrisos onde não há retorno,
mas há pontes para recordar...
Compara no teu olhar, refletido em 
experiências tantas, que se tornaram 
esperanças!
E você,  pessoa encantada, no tempo e no 
espaço da flor, mesmo murchando, a alvorada
sempre trará o  resplendor!
No brilho dos olhos e no orvalho da flor,
tudo é saudade, tudo é vaidade...



terça-feira, 29 de abril de 2014

Multidão...

No meio da multidão há um apego
inexplicável ....
Há um surto irremovível de vontades 
físicas, visuais, atônitas, cruéis e também 
famintas...cheiros!
Há pavores devorando as calçadas frias 
e ao mesmo tempo, um fogo ardendo em 
pensamentos, anseios por espaços, por 
tempo, por sombras ou beiras para se 
esconder das chuvas...apegos em braços 
perdidos por cegueiras múltiplas...há um
inexplicável silêncio momentâneo, um surto 
repentino de buzinas e uma tremenda falta 
de afeto, combinado com ligeira loucura...
Há palhaços, malabares, petições de dinheiro!
Há na multidão uma magia insana que embriaga
os sóbrios, confunde os largados e acolhe os que
são nobres, mas, há os  que cuidam dos pobres e 
desabrigados...A multidão como clemência, é a 
divergência  acumulando pressão...e todos nós,
amiúde, somos o eco da razão explícita da nossa
maioridade. 

Poucos argumentos...

Somos sempre o resultado feliz ou 
infeliz dos próprios passos.
A falta de atenção, afastando a autocrítica,   
nos colocando como senhores de si, construindo
um laço curioso de vaidade e medo. 
Somos a descoberta imediata, que encoraja 
e opera a livre escolha, somos o nosso 
motivo maior de vida,mas, atormentados 
pelo que os outros  possam dizer  ou 
fazer, não vivemos, nos flagelamos, sempre
açoitados por um orgulho que não vale
a pena.
Enquanto isso, o poder da descoberta é 
fraco , então, nos colocamos nas mãos de 
outras pessoas,  nossa felicidade, nossa 
dependência e riso...
Aplacados pela persuasão dos que dominam 
as tais fraquezas, não nos impomos, não nos 
permitimos a liberdade que é nossa por 
direito, nos acomodamos, atirando as 
responsabilidades ao mundo exterior, crentes 
de que o tempo soluciona tudo, e sem fazermos 
força alguma, esperamos...
A estagnação não pode ser própria dos que têm
capacidades de vencer obstáculos, dos que ainda 
acreditam e não desistem.
Não podemos deixar a desordem macular os nossos
sonhos e ideais mais nobres.Temos o dever, como 
seres pensantes, buscar as respostas, debruçar nas 
páginas que outros já escreveram e nos permitir...
Contudo,é necessário sufocar primeiro os nossos 
preconceitos, simplificando caminhos para que hajam 
continuidades...

quinta-feira, 24 de abril de 2014

Nós sabemos...

Eu sei e você também sabe,
não vamos tapar o sol com
peneira...
Aqui no Brasil se leva uma vida
inteira até aprendermos a ler,
escrever...ouvir, interpretar e o 
que é mais difícil,assimilar!
"Nossos bosques tem mais vida,
nossas vidas no teu seio mais 
amores..."
Contudo, nossos bosques são
queimados e a vida de nossas
vidas há muito foi esquecida, 
em amores de outros filhos, já
marcados...pela indiferênça e
pela falta de respeito, não há 
mais o leite de peito para em 
teus seios descansar!
Já vai longe a Pátria amada,
agora idolatrada por estranhos.
Salve,salve! Salvem o Brasil de ser 
apenas uma imagem do Cruzeiro,
que não mais resplandece,apenas 
um sonho intenso...que se esquece!

Podemos escolher !

A abundância de sentimentos bons que
em nós sobrevive, é rastro de amor
que recebemos do mundo em si...
O amor reflete as aspirações da luz que
qualquer um dispõe.
A qualidade do que se busca,  está no 
aceitar os outros tais quais são...nem 
mais nem menos, pura aceitação, ter
compreensão de cada universo que é
o nosso semelhante.
Olhá-lo com  o verdadeiro olhar, não 
aquele olhar egoísta, mas o  olhar de 
satisfação pelo que  o outro representa, 
pelo  que possa representar um dia!
A aceitação implica em ser o que
primeiro entende, o que mais permite 
o que mais ama... perdoa!
Na abundância que recebemos,há espaço 
para repartir  ou mesmo somar, até 
multiplicar. São pontos de vista, eu sei, 
mas é possível ampliar o amor, mesmo 
que a humanidade esteja travada pelo 
ódio, é possível recorrer aos céus, pela fé!
Desmoralizar o mal, destruir suas forças 
pelo perdão das ofensas, ter união...paz!
Não é vergonha escolher o lado do bem, 
não é fora de moda.Vamos lá, somos vida!
Vejamos se tem  sopro para mais um fôlego 
de realidade.Vamos tentar mais uma vez 
o Amor! Vamos espalhar as luzes da caridade!

quinta-feira, 17 de abril de 2014

Feliz  Páscoa  para todos !
       Obrigada pela visita!
       
        

Um jardim...

Te secreto  algo  no  canto  do
muro, como uma prece!
Te digo coisas, que só  diria assim,
em segredo...
Me conforto no teu aroma, no pio 
do beija-flor!
É ali que me escondo em poemas 
infinitos.
Te vejo e me felicito ao brilho do 
orvalho...é ali!
Te secreto coisas , meus sonhos...
Me conforto, te contemplo e reverencio
todos os dias!
Meu pequeno estágio de vida é ali, em
segredo!
Te guardo em flor, ali, no meu secreto 
jardim de amor!

sexta-feira, 11 de abril de 2014

Viemos...

Nós, que um dia nascemos nus 
a mendigar o leite,  o cobertor, 
num choro profundo...
Nós, que habitamos um lar,  um 
colo!
Tivemos afagos, amor...
Nós que vimos  o sol raiar nos 
vidros de uma janela,  como a 
pedir que o explorasse lá fora!
Explore o quanto antes!
Antes que os passos comecem e  que 
as passadas aumentem  por causa das
horas vencidas...
Que se explore o raio de sol  num
verdejante jardim, num céu azul !
Nós que nascemos nus, sem controle,  
sem  coragem, esta, que só surge quando 
crescemos...
Nós, que aqui nascemos  e vivemos nus,
com almas vestidas de histórias e de 
eternidade...nós que aqui viemos pelas
mãos de Deus, nus e sem os pelos cinzas 
de lobos, mas, com uivos de dor por 
caminhos errados do amor!
Nus viemos, nus voltaremos,  sem cor e 
sem laços!

segunda-feira, 7 de abril de 2014

Um vento

Colho do vento as folhas aprimoradas
do outono...
Aquelas que ficaram guardadas,impregnadas
de sonhos antigos.
Colho do vento, o pó das cinzas que se 
espalharam quando meu espírito se
deslumbrou pelo mundo...
Colho o néctar das flores enquanto o Céu
trabalha suas sementes.
Colho dos ventos o dom de acariciar meu 
próprio rosto,relembrando tempos de 
liberdade!
Colho sorrisos levados para longe, mas que
voltam de vez em quando soprando memórias.
Colho no vento o frescor da hortelã, a chuva 
fina trazida na brisa da madrugada...
Colho as poeiras da estrada que sempre me dizem
ser hora de soprá-las, para nunca mais, para 
que sumam ou se misturem ao cheiro da chuva,
transformando a saudade  em aurora de esperança!
Colho no vento a coragem de enfrentar os dias mais
difíceis...o vento...o morno e suave vento me traz 
o aconchego da prece sentida...então, colho  paz!

sexta-feira, 4 de abril de 2014

Quem vê...

A poesia foi criada para iluminar 
as trevas quando a incompreensão 
e a miséria humana se colocarem 
à frente, espalhando sofrimentos!
A poesia  veio para aclarar as mentes,
abraçar as gentes...
Quem vê o mundo com olhar de 
transparência, vê além...
Vê o que os outros não podem, nem 
sentem.
Estão endurecidos e vazios de bem!
A poesia abre o leque, transcende...
O Sol, a Lua e as estrelas,tornam-se
pontos convergentes  na Terra,  e  os 
corações dos homens,num mar infinito, 
se revestem de luz  para  contemplar a vida  
docemente!

quinta-feira, 3 de abril de 2014

Uma palavra

No confronto, na dividida,
não há coisa pior nessa vida
do que a violência contida...
No ódio de qualquer um, o 
 ódio ser a única medida!
Não há pior coisa na vida ,
que o ranger de dentes, gritar,
de lado, fazer cuspidas,chamar 
maldita  todas as gentes...
O ódio a alimentar o ódio, por 
qualquer contradita!
O  fato é que não se nasce com 
ódio, quase sempre, é palavra 
aprendida, herança adquirida em
berço inocente, vinda do fogo do
preconceito louco, do orgulho que
não tem jeito, das vinganças pedidas!
Não há coisa pior nessa vida, que ter
que implorar perdão, implorar a própria
existência ante a marginalidade,quando
basta uma palavra amiga, de 
alguém que pensa,que ama. Bastaria em ação, 
a consciência!


segunda-feira, 31 de março de 2014

Primeiro de Abril

O mundo se acabou,as florestas renasceram...
O mundo se acabou,depois que as terras ,tremeram!
Tudo renasceu,não há guerras!!!A família resistiu...
 Renasceu a terra tremida ,a violência foi vencida,
A dengue não ameaça  as vidas tão amadas...
Tudo sacudido,as famílias...tudo novo e de novo!
E o animal  antes ferido, é respeitado e protegido.
Renascida está a paz,a lida,absorvida numa música 
sentida, a barriga! A mãe comprometida no amor ,não
 faz abortos e toda criança têm comida !
A mesa agora servida, é farta de sal, açúcar e tal...

O mundo se acabou ...e com ele o mal, vi num jornal,sumiu!
Renascido está, o tempo de bem! É uma festa espiritual!
Não há mais nada que imprima o absurdo, o terror,
O horror agora é mudo... há chuva onde havia seca,
não tem escravos num canavial,nem nos fornos de 
carvão...Todos têm pão! O Brasil inteiro se uniu pela
 Educação!
Contudo, descoberta foi a farsa, é primeiro de Abril!

De brinquedo

Uma fatia de bolo, de um bolo azul de menino,
ou mesmo de um bolo rosa de menina!
E por que não, um todo colorido de arco-íris...
Um pequeno carrinho de madeira,um peão,
figurinhas, tapa!
Uma boneca de pano, uma corda, um tamanco
de lata!
O sorriso, depois a gargalhada...naquela hora,
tudo é tudo e o resto é nada!
Um acerto de gude. Esteca! Um chiclete que grude,no 
céu da infância trigueira...
Um cavalinho de balanço, ou mesmo uma pulseira!
Tudo é festa, aniversários,balões e doces a tarde 
inteira...aviãozinho de papel...
E quando não se tem o brinquedo,quando o medo 
surge numa careta de sombras na parede, ou até um 
pulo na rede da varanda... Limonada para matar a sede...brinar de adivinhar, ou de passa- anel...
Lamber o mel, a colher do bolo, o barquinho
de papel... Tudo é céu, e tudo é brincadeira!

Um toque

Um toque no silêncio das horas,
despertando a alvorada...
Um toque de alegria vindo pela
madrugada.
Um toque que se ouve ao longe,

em sons como risos, folias na
multidão de passarinhos cantantes,
alimentando seus ninhos...
Um toque de despertador, um banho
quente, um banho frio, o café...
o trabalhador! Um toque de beijo e
afagos, um vá com Deus num tempo
de amor!
Um toque de memória  guardado na
travessia da vida, que se gasta sem 
vaidades no dia a dia...simplicidades!
Um toque da sineta da escola, o apito 
do jogo de bola...
Um toque  de campainha de ônibus,
o toque do sinal da fábrica a gritar...
é preciso trabalhar!
Mais um toque e já é noite novamente,
a rotina dos céus!

domingo, 30 de março de 2014

Sintonia

Na janela aberta dos teus olhos
pode ser que haja uma esperança,
pode ser que haja segurança e fé...
Na janela do teu ser existe uma 
amplidão, vivificada em versos 
que jamais li, pois  são teus, os versos!
Na janela ampliada do teu ser,  há 
um fechar de olhos repentino, tentando
sonhar, tentando alcançar um jardim 
com flores que não existem aqui, são 
teus, os sonhos...
Entre o abrir e o fechar dos teus olhos,
há um milésimo de segundos, que são 
de Deus, e essa janela, mesmo que não
percebas,  está sempre entreaberta para
o céu.

sábado, 29 de março de 2014

Um soldado

Um soldado errante, flutua em
sua consciência,buscando uma 
razão ou uma sequência que
justifique  os terrores da guerra.
Um soldado é fiel ao seu comandante,
supera medos, mas também é fiel aos
seus valores...
A imensa carga que segura, fica prestes 
a explodir, como as armas que usa. Com
ódios, com fúrias, mas, o soldado é fiel aos 
seus valores...chora diante das tristezas 
vindas de qualquer  natureza!
A solidão da trincheira, o cheiro do mal 
à solta! O soldado se segura para não 
sentir, mas sente!Fica forte, fica doente!
Um soldado não se desvia do dever, é o 
instrumento de dor e de paz, de um fim
que está longe...
O soldado nem sempre volta, mas devolve
os que ficam perdidos, devolve esperanças!
Um soldado, o verdadeiro guerreiro,seja 
qual for a patente, assim como um bombeiro, 
será herói, o ano inteiro!

quinta-feira, 27 de março de 2014

Sou flor

Sou flor que carrega espinhos de dores,
mas, passageiras...que se misturam às
coisas Divinas, nas belezas infinitas...
Meu perfume  tem leveza, transborda
pelo vento, abraçado na luz do Sol!
Sou flor em meio a espinhos que ferem,
que curam e amargam nas línguas que traem,
num instante de incertezas ou distração...
Sou pétala da flor, cujo colorido surge da
emoção!
Sou  também espinho, mas tenho raiz!Sou
do tipo, que apesar do pranto, sou feliz...
Muito feliz, pois, os prantos  secam! 
Sou flor e posso desabrochar em todas
as estações!

A solidão

A solidão é o escudo daqueles que
já desacreditaram do mundo.
A solidão é foco de coragem enquanto
se está de passagem,  enquanto não se
enterra suas formas egoístas, desprezadas
sobre a terra... É como um manto!
A solidão é um vazio solto, infeliz, agarra
quem a suporta...e na vida, na arte, mesmo
pintando a " Natureza" morta, solidão é
solidão em qualquer canto!

quarta-feira, 26 de março de 2014

Reclamas...

Reclamas, reclamas e odeias,
Constrói laços frágeis em
castelos de areias...
Pensas amar, ser feliz., mas
sozinho!
Reclamas de tudo e de todos,
Até de ti mesmo reclamas, nunca
estás satisfeito.
Ficas surdo, não ouves o toque
dos sentimentos íntimos te dando
alertas das verdades.
Vives a espreitar, se comparas aos
outros, não te assumes, vives a esmo!
Sem fé, crês no horizonte oposto, no
falso corpo, nas soluções imediatas, no
erro.
Reclamas, até em segredo. Não vês que
todos os seres choram, buscam as mesmas
coisas, mas te rebelas, não entendes, que não
sois a exceção, não há privilégios de Deus...
Teu orgulho é que te põe no pódio, queres
estar lá, nem que seja por ódio!
Enquanto reclamas, invejando  o próximo,
o sol vai brilhando para todos!

segunda-feira, 24 de março de 2014

Quero

Quero o perfume das flores, o amor dos amores
e o mais lindo amanhecer!
Como  nem sempre o querer é poder, desejo!
Enquanto imagino o poder de ter, desejo!
Desejo o mais lindo sol, o melhor caminho...
a mais forte luz , o melhor sorriso, tudo o que
possa eternizar a paz!
Quero sorrir com as crianças quando o amor
dos amores sobressair aos corações de pedra,
dos que são donos do poder!
Desejo, a boa vontade para que possam
aprender...
Quero o mel e os perfumes ao beijar as
flores, e no amor dos amores , quero só
o que for possível,  no meu desejo, quero
o teu amor desejar  para sermos fortes...
para nunca desejar a morte, por poder
desejar viver!
Desejo o perfume das flores que ainda serão
plantadas...esse querer é poder!


Falar?

Falar do quê? Se o amor enrijeceu,  tornou-se a
dor do mundo...
Falar das mágoas? Falar das crianças sem pais?
E se falássemos de toda a terra, da falta de consciência,
no valor das águas... E quanto aos pássaros sem ninho, por
causa das queimadas? Falar dos animais?Quais?
Nas florestas, até as  madeiras nobres, agora, pobres!
Precisam ser recicladas...foram derrubadas!
Falar das modéstias, que não existem entre os que mais
desfilam com bolsos cheios, muitas vezes, de coisas que não
são deles! Levantam narizes, humilham gentes, como se
fossem Deus?
E se falássemos das guerras, que se encerram nas
piores tragédias, na tragédia do egoísmo, do poder e
do terror!
Da fé enganosa, que só explora inocentes?
Falar do quê? Se a fome e o medo, não nos atinge,
nem nos constrangem...
Falar do quê? Se o amor se escondeu, e nas trevas do
orgulho  enrijeceu!

domingo, 16 de março de 2014

Somos

Ser ou não nesta vida depende muito do que
se busca, do que se faz.
Quantas coisas ficam perdidas pela eternidade,
quando o sonho se desfaz...quando o sonho ,
sonhado alto demais, desaba em decepções.
Ser ou não, enquanto seres  somos, todos iguais,
queremos buscar perfeição! Ela, que nunca chega 
sem os transtornos da transformação!
Ser ou não ser, já que é possível, apelamos para
a imaginação...Como cremos ou entendemos não é
nossa objeção, somos feitos de sangue nas veias,
de energias e emoção!
E quando o sonho alto foge, nos restando a
incompreensão, sonhos temos novamente para
buscar nova visão...
Ser ou não, sonhando  acordados, doentes ou sãos,
todos perseguimos a vida com obsessão!
Ser ou não ser, não é a questão . Tanto faz !
Ser é natural condição, não precisamos de razão.

Poema de amor

Um poema  de amor, se faz com toques
de delicadeza...
Aquela delicadeza que se vê numa
pétala aveludada de rosa , no perfume
que acalma.
Um poema de amor, pode ser de amor 
pela vida, contida numa canção, na alma!
Um poema de amor, tem que comover e
emocionar ...ser pessoal...Tem que abraçar
com palavras , manter o fogo da paixão!
Um poema de amor, não pode ser de amor
fingido, tem que vir do coração!

sábado, 15 de março de 2014

Levo

Levo nas lembranças  muitas marcas.
Levo de lembrança, sempre um raiozinho
de sol depois da enxurrada..
Levo um tic-tac de antigo relógio...quando 
ia à escola!
Levo na lembrança, o doce cheiro da goiabada,
o  cheirinho de terra molhada, o barulhinho da
palha seca no colchão da roça...
Levo nas lembranças, o som do estalo da lenha
no fogão da vovó, brilhando ardente em chamas
de bem-querer .
Levo na lembrança o grito da alegria de infância,
quando olhava para o céu e diziam: A estrela cadente!
Faça um pedido!...E quantos pedidos de esperanças!
Levo na lembrança um não sei quê de segurança e fé,
de lições de amor e de contentar-se com o que é e com
o que  tem...Tempo bom, é o que levo comigo, na
esperança que um dia, estarão lembradas por serem
eternas, felizes, e por terem sido minhas!

domingo, 9 de março de 2014

Não me importo

Não me importo  se suas paixões agora
efêmeras serão realidades arrependidas
no futuro.
Não me importo se os teus quesitos
idólatras ,te levem a um vazio sem razão!
Não me importo se perdes o tempo
acompanhando o tédio, se não consegues
ativar as memórias das verdades otimistas.
Não me importo mais se não consegues
absorver o que é moral, perfeito ou real.
Não me importo se te perdes na escuridão !
Não importa se teus olhos fecharam ou se
esqueceu...
Não mais me importo, te asseguro que não!
Se apenas um mundo de fantasias ou de
inesperados delírios sejam o teu melhor, as
incógnitas... não me importo mais.
Só quero uma presença tímida e fugida de
um pensamento ou num sonho ao amanhecer.
Quem sabe, simplesmente, um vento morno
que traga você!

Arte

Tintas, pincéis, aquarelas...
Uma inesgotável fonte que nos
transporta para um real e
fantástico prisma , numa escolha
entre telas!
O oleiro, faz tijolos com técnicas
habilidosas , mas, o arquiteto
educa a obra...
O escultor principia uma estátua ,
o tempo , a perpetua...
Muitos olhares , contemplam um
jardim de rosas feito pelo jardineiro!
A música transcende sons que de forma
inevitável  tornam-se tons pelo ar.
A dramaturgia, com sensibilidade faz
chorar...
Quando fecham -se as cortinas no
picadeiro sob a lona, um palhaço 
tem  na arte  o dom de fazer sorrir!
A arte se irradia pelas faces, viaja na
melodia cantada , na dança, sejam
adultos ou crianças, pura alegria!
Num inexplicável envolvimento vem
a arte dos instrumentos...a moda !
Então , entre tantas e tantas artes  como
simples luz e magia...vem nos encantar
a arte da poesia!

terça-feira, 4 de março de 2014

Miserável

Mãos trêmulas, olhos fixos no nada,
passos lentos como quem não tem
direção.
Assim é o miserável sem amor, sem
trabalho e sem pão...sem família!
Mãos que um dia tocou um corpo
cheio de amor, se alimentou do seu
leite...hoje busca a imagem da mãe
em sua mente, não há fotografias ,
não há toques, não há calor...
Hoje  moribundo, vaga  pelo Sol ,
pela chuva.
Dorme nos becos e sarjetas... a
solidão é sua companheira!
Assim é o miserável, sem teto, sem
ter uma identidade. nem mesmo a
indigência, essa terá, quando seu
corpo não mais se levantar e um
novo miserável tomar o seu lugar!