sexta-feira, 30 de maio de 2014

Nem sempre...

Para todos nós, há um estado perfeito
de coisas.As indeléveis ou razoáveis...
Somos pessoas constantemente ligadas 
ao peso angustiante da espera!
Desejamos ter o verão, livres do inverno, e 
sonhamos  o outono todo, com as flores da
primavera ...Somos contradição!
Não estamos acostumados a perder, mas,
nos erros, somos chamados à razão de ser.
Ser o que somos e  rever...
Somos o que somos, nem sempre precisamos
saber, contudo, temos o dever de aprender!




indelével= indestrutível;indissipável,que não se dissipa.
razoável= conforme à razão;moderado;acima do mediocre;
satisfatório,aceitável.

Acreditando...

É  como se vive... confiando! Sempre!
Como  atingir  o  inatingível, sem pressa...
Como se dominássemos a luz do Sol.
Por mais que brilhe feito um farol ,beijar
cada estrela, sem se ofuscar...
É  como se  tocássemos o céu , sem 
deslizes...
É  como estar  num maremoto sem medo
e naufragar os sentimentos ruins.
É como submeter a luz que seduz,  que 
aquece  sem egoísmos,  ao  mesmo  tempo,
isolar  a  solidão. É  o  renovo!
Como se o cheiro  do  mar nos envolvesse  com 
suas  ondas, à cada balanço...
Como se tudo parasse e reverenciasse cada 
manhã  com o hálito puro da hortelã!
Assim, observando as leis da gravidade ,vendo a lua,
aprendemos  a  viver  sonhando...
É como alcançar o céu suavemente  numa oração!
Como se chegássemos a Deus ...  tocando  o que
é intocável  pelo coração, com  fé  na eternidade...
Com amor é que se vive, é como se vive a realidade!

terça-feira, 20 de maio de 2014

Tudo certo...

Tudo certo, tudo caminhando no 
concreto, pleno voo...Nudez de alma, 
o rubor,trauma e  rancor ...  loucura 
súbita,  desamor!
Espaços vazios de pensamentos, furor, 
lapsos de entendimentos.
Paz de espírito ou pavor...Na insensatez, 
os desvios, varios...
Na estupidez, o rigor...respostas! 
Ninguém questionando os soluços, nem os
gritos de  pânico, nem os aflitos!
Nudez de alma,labirintos,distanciando o 
brilho do olhar que asfixia, temores...
Momentos de verdades ou incertezas, o 
terror. Ninguém para questionar os 
exageros de liberdade hipócrita!

sábado, 10 de maio de 2014

Pequenos vãos...

Num silêncio oportuno  abro 
os olhos para a janela do mundo...
Tudo é estranhamente vago e solitário.
Tudo é estático, o que vejo se mistura às
sombras nos becos escuros das ruas. 
Vejo o inexato, o inamovível, o impróprio 
também ...o chão, um pária...
Vejo animais em descaso, criança sem pão!
Nesse oportuno silêncio  me refaço em 
pensamentos. Fico entusiasmada num só 
momento e em outros, não...
Vejo a velhice  desistindo de ser importante!
Vejo mais, vejo a angústia de muitos se
questionando..."Cadê as luzes da cidade?"
"Onde está a luz no fim do túnel?"
"Para onde foram as cirandas da infância, 
por quê tanta maldade e desesperança?"...
No silêncio oportuno, onde está a vida lá fora,
ouço o bater de corações aflitos, das mães que
choram suas perdas na violência das horas...
Então, nesse mesmo silêncio também oportuno,
fecho os olhos, fecho a janela do mundo, me 
refaço...viajo por dentro ...Cadê coragem, para 
o vazio que ficou em suspenso!Me deito sob a 
janela do quarto, buscando no brilho da Lua, a 
resposta, esperando que ela  confirme, que 
a coragem está por dentro, em passos firmes,
na paz que habita no coração e num dia após o
outro...oportunamente!


estático=  firme;imóvel;parado
inamovível=  fixo;estável;irremovível
Pária= A casta ínfima dos hindus;
homem excluído da sociedade;marginal.

quarta-feira, 7 de maio de 2014

Vaidades...

Compare uma linda flor, suave e
aveludada, com tua imagem de 
pele encantada num instante de 
juventude, sem  receios...
Compare o colorido das luzes no 
teu espelho, a imagem que ali está 
refletida é teu deslumbre. 
Tudo é serenidade e sorrisos!
Tudo é alegria e fantasia! 
A luz do Sol, com o frescor do orvalho,
realça um perfume tímido no ar...cheiro 
de coisas boas, compare !
O hoje é o teu ontem, o tempo passa  e
fotografa sorrisos onde não há retorno,
mas há pontes para recordar...
Compara no teu olhar, refletido em 
experiências tantas, que se tornaram 
esperanças!
E você,  pessoa encantada, no tempo e no 
espaço da flor, mesmo murchando, a alvorada
sempre trará o  resplendor!
No brilho dos olhos e no orvalho da flor,
tudo é saudade, tudo é vaidade...